PUBLICIDADE
Topo

Deputado tucano desiste de 'cura gay'; Feliciano ameaça retomar proposta

Deputado federal João Campos (PSDB-GO), autor da proposta da "cura gay" - Lula Lopes/Câmara dos Deputados
Deputado federal João Campos (PSDB-GO), autor da proposta da "cura gay" Imagem: Lula Lopes/Câmara dos Deputados

Débora Melo

Do UOL, em Brasília

02/07/2013 17h03Atualizada em 03/07/2013 08h01

O deputado federal e pastor evangélico João Campos (PSDB-GO), autor do projeto que ficou conhecido como "cura gay", anunciou nesta terça-feira (2) que desistiu da proposta.

A decisão foi tomada após o PSDB se posicionar contra a medida depois da onda de manifestações que se espalhou pelo país, algumas delas contra a cura gay --o partido chegou a dizer, em nota, que o projeto era um "retrocesso". Após reunião de lideranças partidárias da Casa realizada hoje, o deputado apresentou requerimento para retirar a proposta de pauta (veja no final do texto a justificativa do parlamentar).

A proposta foi aprovada na CDH (Comissão de Direitos Humanos da Casa), presidida pelo deputado federal e pastor Marco Feliciano (PSC-SP), no último dia 18. Segundo a assessoria jurídica da Câmara, como o projeto teve parecer favorável na comissão, a retirada da pauta prescindia de votação no plenário da Câmara. Por volta de 19h50, a Casa aprovou a retirada da pauta e o arquivamento da proposta.

Polêmico, o Projeto de Decreto Legislativo (PDC 234/11) recebeu o apelido de cura gay por alterar resoluções do Conselho Federal de Psicologia que proíbem que profissionais participem de terapias para alterar a identidade sexual do paciente ou que tratem a homossexualidade como doença.

Desde que entrou na pauta da comissão, a medida foi alvo de protestos da comunidade LGBT e de ativistas que a acusam de ser homofóbica.

Feliciano não desiste

Após a desistência do deputado tucano, Feliciano prometeu, no Twitter, retomar a proposta na próxima legislatura (2015-2018), quando, segundo ele, a bancada evangélica será ainda mais numerosa.

"O PDC não foi arquivado, mas retirado, e pode voltar. E voltará na próxima legislatura quando teremos um número maior de deputados evangélicos", tuitou Feliciano. "Essa perseguição de parte da mídia e dos ativistas nos fortaleceu, e nosso povo acordou. Nos aguardem em 2015! Viremos com força dobrada", acrescentou o pastor.

Na Câmara, Feliciano afirmou que a cura gay está sendo utilizada para tirar o foco das causas dos protestos das últimas semanas. "Esse projeto neste momento está sendo usado para desfocar os protestos verdadeiros da rua, e isso não pode acontecer nunca", disse.

E voltou a dizer que a proposta será aprovada na próxima legislatura. "Sempre soubemos que esse projeto não ia passar porque temos poucas pessoas aqui dentro que lutam dentro desse mote. Na próxima legislatura, a bancada evangélica vai dobrar o seu número e a gente voltar com força."

Durante a Marcha para Jesus, realizada no último sábado (29) em São Paulo, Feliciano já havia afirmado que o projeto da cura gay estava "morto".

Veja a justificativa do autor da cura gay para retirar a proposta

Política