Topo

Planalto confirma interino no lugar de Pimentel no Ministério do Desenvolvimento

Fernando Pimentel durante entrevista ao programa Poder e Política, da Folha e do UOL - Sérgio Lima 23.abr.2013/Folhapress
Fernando Pimentel durante entrevista ao programa Poder e Política, da Folha e do UOL Imagem: Sérgio Lima 23.abr.2013/Folhapress

Bruna Borges

Do UOL, em Brasília

13/02/2014 17h00Atualizada em 13/02/2014 17h18

O ministro Fernando Pimentel, do Mdic (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), entregou nesta quinta-feira (13) à presidente Dilma Rousseff pedido de afastamento do cargo. Assume interinamente Mauro Borges, presidente da ABDI (Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial).

Em nota, Dilma agradeceu “a dedicação, competência e lealdade de Fernando Pimentel no comando do Mdic ao longo dos últimos três anos”.

Mineiro e amigo de longa data da presidente, Pimentel é economista. Ele participou dos movimentos estudantis de 1968 e se engajou na resistência à ditadura militar. Por essa atuação foi perseguido e preso em 1970 e libertado em 1973. Também foi diretor do Sindicato dos Economistas mineiro. Também foi eleito prefeito de Belo Horizonte em 2004, de acordo com a pasta.

Pimentel foi professor da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), vice-presidente da Associação de Professores Universitários de Belo Horizonte, presidente do Conselho Regional de Economia de Minas Gerais em 1991.

Ele deve ser formalizado como pré-candidato ao governo de Minas Gerais em evento do PT marcado para esta sexta-feira (14), com participação do ex-presidente Lula.

Borges foi pesquisador do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e é doutor em Economia pela Universidade de Londres, com pós-doutorado na Universidade de Illinois e da Universidade de Paris.

No começo de fevereiro, a presidente fez quatro trocas em seu ministeriado. Foram empossados Thomas Traumann (que substitui Helena Chagas na Secretaria de Comunicação), Arthur Chioro (entra no lugar de Alexandre Padilha na Saúde) e José Henrique Paim (que entrará na vaga de Mercadante no MEC), além da ida de Mercadante para a Casa Civil no lugar de Gleisi Hoffmann.

Mais Política