Alan Marques/Folhapress

Processo de impeachment

O velho novo governo de Michel Temer: metade da equipe é de ex-ministros

Gustavo Maia

Do UOL, no Rio

  • Divulgação

    O presidente interino Michel Temer assina notificação para assumir o Governo Federal

    O presidente interino Michel Temer assina notificação para assumir o Governo Federal

Onze dos 23 escolhidos para integrar a equipe ministerial do presidente interino Michel Temer (PMDB) já ocuparam pelo menos uma pasta nos governos Dilma Rousseff (PT), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Vice de Dilma nas eleições de 2010 e 2014, Temer assumiu a Presidência da República na manhã desta quinta-feira (12), horas depois de o plenário do Senado aprovar, por 55 votos a 22, a abertura do processo de impeachment contra a petista, que fica afastada por até 180 dias.

As especulações sobre a composição do novo ministério, reduzido de 32 a 23 pastas, ocorrem desde março, quando a crise política se agravou no país e o PMDB rompeu com o governo Dilma.

Conheça os ministros

Alan Marques/ Folhapress
CASA CIVIL - Eliseu Padilha (PMDB-RS)

O ministro-chefe da Casa Civil será Eliseu Padilha (PMDB-RS), um dos quadros mais antigos do PMDB. Durante o segundo governo Dilma, entre janeiro e dezembro do ano passado, ocupou a Secretaria de Aviação Civil. Pediu demissão um dia antes de o então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, seu correligionário, acatar o pedido de impeachment da presidente Dilma. Durante a gestão de Fernando Henrique Cardoso, foi ministro dos Transportes, entre 1997 e 2001.

Felipe Rau/Estadão Conteúdo
PLANEJAMENTO, DESENVOLVIMENTO E GESTÃO - Romero Jucá (PMDB-RR)

Líder dos governos FHC, Lula e Dilma no Senado e um dos principais aliados de Temer, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) ocupará a novo ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Em 2005, durante o governo Lula foi ministro da Previdência Social por apenas 60 dias. Foi exonerado após uma série de denúncias contra ele. Pernambucano, Jucá foi governador de Roraima de 1988 a 1990, e presidente da Funai de 1986 a 1988. É presidente em exercício do PMDB desde 5 de abril, quando Temer se licenciou do cargo.

Zé Carlos Barretta/Folhapress
FAZENDA - Henrique Meirelles (PSD-SP)

Principal nome na área econômica do novo governo, Henrique Meirelles (PSD-SP) será ministro da Fazenda de Temer quase cinco anos e meio após deixar o governo Lula, no qual foi presidente do Banco Central desde 2003. Em 2005, o cargo ganhou status de ministro. No setor corporativo, foi presidente global do FleetBoston Financial e presidente mundial do BankBoston por quase cinco anos, além de ter presidido o banco no Brasil por mais de uma década. Na política, Meirelles foi eleito pelo PSDB como o deputado federal mais votado de Goiás em 2002, com 183 mil votos, mas não chegou a tomar posse, porque assumiu o BC.

Pedro Ladeira/ Folhapress
CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÕES E COMUNICAÇÕES - Gilberto Kassab (PSD-SP)

Ministro das Cidades de Dilma do início do segundo mandato até o dia 15 do mês passado, Gilberto Kassab (PSD-SP) passará a ocupar o recém-criado Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Ex-prefeito de São Paulo (2006 a 2013) e presidente nacional do seu partido, fundado por ele, Kassab perdeu a disputa para o Senado em 2014 para o agora colega José Serra, de quem foi vice na Prefeitura em 2005.

Alan Marques/ Folhapress
Rodrigo Janot afirma que Henrique Eduardo Alves (foto) recebeu recursos do petrolão

Também ex-ministro de Dilma, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) voltará a comandar o Turismo, pasta que ocupou entre abril do ano passado e o fim de março deste ano. Filiado ao PMDB desde 1982, tem a experiência de 11 mandatos de deputado federal consecutivos, foi presidente da Câmara dos Deputados de 2013 a 2015, e é considerado um dos amigos mais próximos de Temer. Perdeu as eleições para o governo do Rio Grande do Norte em 2014.

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
DEFESA - Raul Jungmann (PPS-PE)

O novo ministro da Defesa, Raul Jungmann (PPS-PE), que está como suplente na Câmara dos Deputados, ocupou duas pastas no governo FHC: Desenvolvimento Agrário, de novembro de 1999 a abril de 2002, e de Política Fundiária do Brasil de abril de 1996 a novembro de 1999. Ao longo da vida pública, o pernambucano já presidiu o Ibama e o Incra, foi vereador do Recife e secretário estadual do governo de Pernambuco.

Divulgação
SECRETARIA DE GOVERNO - Geddel Vieira Lima (PMDB-BA)

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) é o novo ministro-chefe da Secretaria de Governo e ficará responsável pela articulação política. De 2007 a 2010, no segundo mandato de Lula, foi ministro de Integração Nacional. O peemedebista foi deputado federal por cinco mandatos consecutivos (de 1991 a 2011) e contemporâneo de Temer na Câmara. Na Bahia, perdeu duas eleições consecutivas: o governo estadual para Jaques Wagner (PT), em 2010, e o Senado em 2014, para Otto Alencar (PSD), vice de Wagner.

Wilton Junior/Estadão Conteúdo
RELAÇÕES EXTERIORES - José Serra (PSDB-SP)

Anteriormente cotado para assumir outras pastas, como a Fazenda ou a Educação, o senador José Serra (PSDB-SP) será ministro das Relações Exteriores. O tucano foi candidato à Presidência da República duas vezes, em 2002 e 2010. Nos governos FHC, foi ministro da Saúde (de 1998 a 2002) e do Planejamento (1995 a 1996). Também foi governador de São Paulo (2007 a 2010) e prefeito da capital paulista --eleito em 2004, causou polêmica ao deixar o cargo em março de 2006, para disputar o governo estadual.

Tarso Sarraf/Estadão Conteúdo
INTEGRAÇÃO NACIONAL - Helder Barbalho (PMDB-BA)

O novo ministro da Integração Nacional será Helder Barbalho (PMDB-PA), que ocupou duas pastas no segundo mandato de Dilma. Depois de chefiar o Ministério da Pesca e Aquicultura por oito meses, tornou-se ministro-chefe da Secretaria Nacional dos Portos, deixando a pasta no dia 20 do mês passado. Helder é filho do senador Jader Barbalho (PMDB-PA), que faltou à votação do impeachment nesta quinta. Prefeito de Ananindeua (PA) de 2005 a 2013, candidatou-se ao Governo do Estado em 2014, mas foi derrotado por Simão Jatene (PSDB).

Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
MEIO AMBIENTE - José Sarney Filho (PV-MA)

Filho do ex-presidente da República José Sarney e deputado federal há oito mandatos consecutivos, José Sarney Filho (PV-MA) voltará ao Ministério do Meio Ambiente, pasta que ocupou entre 1999 e 2002 no segundo governo FHC.

Estreantes na Esplanada

Entre os outros 11 nomes anunciados como ministros, todos estreantes na Esplanada dos Ministérios, há oito deputados federais que participaram da votação da admissibilidade do processo de impeachment de Dilma na Câmara, no dia 17 do mês passado.

Sete deles votaram contra Dilma: Mendonça Filho (DEM-PE), ministro da recém-criada pasta de Educação e Cultura; Ricardo Barros (PP-PR), da Saúde; Ronaldo Nogueira de Oliveira (PTB-RS), do Trabalho; Mauricio Quintella (PR-AL), dos Transportes, Portos e Aviação Civil; Osmar Terra (PMDB-RS), do Desenvolvimento Social e Agrário; Fernando Bezerra Filho (PSB-PE), de Minas e Energia; e Bruno Araújo (PSDB-PE), das Cidades, autor do 342º voto, que autorizou o prosseguimento do processo para o Senado.

Antonio Augusto/Câmara dos Deputados/17.abr.2016
Deputados federais festejam aprovação da continuidade do impeachment

Novo ministro do Esporte, Leonardo Picciani (PMDB-RJ) era líder do PMDB na Câmara --sua eleição foi apoiada pelo governo Dilma. Apesar de orientar a bancada peemedebista pelo voto pró-impeachment, ele votou a favor da petista.

Conhecido como o "rei da soja", o senador Blairo Maggi (PP-MT) passará a ocupar o novo ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ele votou pela abertura do processo de impeachment e pelo afastamento de Dilma na manhã desta quinta.

Anteriormente cotado para o Ministério da Ciência e Tecnologia, o que gerou polêmica, o bispo licenciado e presidente nacional do PRB Marcos Pereira será ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio. 

Atual secretário estadual de Segurança Pública de São Paulo do governo Geraldo Alckmin (PSDB), Alexandre de Moraes, será ministro da Justiça e Cidadania. Ele é amigo de Temer.

O chefe do Estado-Maior do Exército, general Sérgio Etchegoyen, será o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência. O órgão será reativado pelo presidente Michel Temer. Etchegoyen foi um declarado crítico da Comissão Nacional da Verdade, instalada por Dilma para investigar possíveis crimes contra direitos humanos durante o regime militar. Ele se irritou em especial após a inclusão do nome de seu pai, o general Leo Etchegoyen, na lista de acusados de crimes.

Conselheiro do CNJ (Conselho Nacional de Justiça) e ex-consultor legislativo do Senado Federal, Fabiano Augusto Martins Silveira será o ministro da Fiscalização, Transparência e Controle, que substituirá a agora extinta CGU (Controladoria-Geral da União).

Advogado-geral da União

Já o promotor de Justiça Fábio Osório Medina, doutor em direito administrativo e mestre em direito público, será o novo advogado-geral da União. O cargo, no entanto, perde o status de ministro.

Medina substitui o antigo ministro-chefe da AGU (Advocacia-geral da União) José Eduardo Cardozo, que deverá continuar defendendo a presidente afastada durante seu julgamento no Senado.

Confira os 23 ministros do governo Temer

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos