Processo de impeachment

Chamado de golpista, Cristovam Buarque suspende sessão no Senado

Ricardo Marchesan

Do UOL, em Brasília

O senador Cristovam Buarque (PPS-DF) suspendeu, nesta quinta-feira (1º), sessão extraordinária da "Comissão de Educação, Cultura e Esporte", que ele presidia, após ser chamado de "golpista" por manifestantes de entidades estudantis e de professores.

A sessão discutia a "liberdade de expressão na sala de aula", com representantes a favor e contrários ao projeto "Escola sem Partido", um projeto de lei que defende a "neutralidade do ensino" por meio da proibição de suposta "doutrinação ideológica" nas escolas.

Para os críticos, o projeto afeta a liberdade de expressão, o pluralismo de ideias e a autonomia pedagógica nas salas de aulas.

Bráulio Porto de Matos, professor da Faculdade de Educação da UNB (Universidade de Brasília), um dos convidados a falar, afirmou que "os sindicatos de professores têm sido usados, via de regra, como nos Estados Unidos, para promover uma agenda político-partidária de esquerda", durante sua apresentação.

A afirmação provocou vaias e pedidos de "respeito aos professores", de pessoas contrárias ao "Escola sem Partido" que estavam na plateia.

Cristovam Buarque, então, pediu respeito à fala do professor. "Senão vocês estão sendo iguaizinhos aos que querem 'Escola sem Partido'. Querem só com o partido de vocês", afirmou o senador.

O professor retomou a apresentação, mas novamente ouviu protestos da plateia, fazendo com que o senador novamente tomasse a palavra.

"Há pouco eu vi alguém ali dizer 'partidos golpistas não têm direito a fala'. Isso não é democracia", afirmou Cristovam Buarque. "Agora eu vejo ali um cartaz me chamando de golpista. Eu queria que ficasse aqui na frente, deixe a televisão ver."

Cristovam Buarque foi um dos 61 senadores que ontem votaram a favor do impeachment de Dilma Rousseff.

O manifestante se posicionou com o cartaz atrás do senador, e parte dos que assistiam começou a gritar: "Me representa".

"Eu fiquei nove anos fora do Brasil porque eu chamava os outros de golpistas e, se eu tivesse ficado aqui, eu teria sido preso. Agora, eu convido ele para me chamar de golpista na frente da televisão inteira", disse o senador.

"Eu tive a hombridade de sair do Brasil quando eu não conseguia conviver com golpistas. Vocês estão se submetendo a isso. Eu não me submeto a ser dirigido por um golpista. Como vocês acham que eu sou, eu suspendo a sessão", encerrando os trabalhos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos