Vizinhos reclamam de revogação de prisão de Garotinho: "desmoraliza o bairro"

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

  • Paula Bianchi/UOL

    André Santos conta que a prisão de Garotinho mobilizou o bairro. "Todo mundo ficou abismado."

    André Santos conta que a prisão de Garotinho mobilizou o bairro. "Todo mundo ficou abismado."

Há sete anos trabalhando em frente ao prédio onde vive a família de Anthony Garotinho no Flamengo, na zona sul do Rio de Janeiro, o vendedor André Santos tem acompanhado de camarote o desenrolar da prisão e agora soltura do ex-governador. 

"Ele tinha que ficar é preso, tem muita gente boa aqui no Flamengo, ele desmoraliza o bairro", diz, enquanto vende panos de prato com enfeites natalinos e para os vizinhos do ex-governador.

Ele conta que a prisão de Garotinho mobilizou o bairro. "Todo mundo ficou abismado."

Nesta quinta-feira (23), pouco depois do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) decidiu pela revogação da prisão do ex-governador, moradores passavam curiosos em frente ao prédio em que ele estava em prisão domiciliar.

Enquanto alguns pedestres fotografavam o local, era possível ouvir xingamentos vindos dos carros que passavam, e um motorista de ônibus chegou a parar o coletivo em frente ao local para gritar: "Agora é a tua vez, Garotinho!"

A funcionária pública Lourdes Dias Cardoso, moradora da região, faz coro a Santos. "Qual a diferença dele e do Cabral? Os dois roubaram, os dois nos deixaram nesse caos." Mesma opinião da taxista Janete Almeida. "O povo está indignado, esse homem tem que ser punido pelo mal que fez ao Estado."

O ex-governador divulgou nesta quinta uma nota em seu blog afirmando que sua detenção foi "uma verdadeira afronta ao Estado Democrático de Direito".

A decisão do TSE que revogou a prisão preventiva de Garotinho impôs ao político medidas cautelares que, se descumpridas, podem levar o ex-governador de volta ao regime prisional. Uma delas é o pagamento de uma fiança de R$ 88 mil, o equivalente a cem salários mínimos.

De acordo com a decisão do TSE, Garotinho deverá cumprir outras medidas cautelares: não poderá voltar a Campo de Goytacazes até o julgamento e nem sair de casa por mais de três dias sem autorização judicial, não poderá exercer a profissão de radialista e nem ter qualquer tipo de contato com testemunhas arroladas durante todo o andamento do processo.

Garotinho foi preso no último dia 16, suspeito de usar o programa social Cheque Cidadão para comprar votos nas eleições de Campos dos Goytacazes, no norte fluminense. A prisão foi decidida na 100ª Zona Eleitoral de Campos.

No mesmo dia em que foi preso, Garotinho passou mal e foi internado no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro do Rio de Janeiro. No dia seguinte, ele foi encaminhado para o hospital penal do Complexo Penitenciário de Bangu.

Garotinho é levado à força para Bangu

No dia 19, a ministra do TSE Luciana Lóssio determinou sua transferência para um hospital privado, a pedido da defesa de Garotinho. Ao receber alta, na terça-feira, o ex-governador seguiu para prisão domiciliar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos