Greca diz que vai fazer "Lava Jato física" em Curitiba e que metrô é para toupeira

Rafael Moro Martins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

  • Reprodução/facebook.com/rafaelgreca

    Rafael Greca (PMN) tomará posse como prefeito de Curitiba no dia 1º de janeiro

    Rafael Greca (PMN) tomará posse como prefeito de Curitiba no dia 1º de janeiro

Fazer "uma grande Lava Jato, física" em Curitiba será a primeira ação do mandato, afirma o prefeito eleito Rafael Greca (PMN), que toma posse no dia 1º de janeiro. "Vou começar lavando a cidade. É indizível o meu prazer de lavar a cidade de Curitiba. Vamos fazer uma grande Lava Jato, física. Tem cocô humano nas ruas de Curitiba. Nós nunca fomos tão humilhados."

Após ganhar notoriedade, durante a campanha, por dizer que vomitara ao sentir "cheiro de pobre", ele voltou a exibir o pendão para afirmações polêmicas em entrevista ao UOL, concedida poucos dias antes da posse. Disse que a qualidade da frota do transporte coletivo faz lembrar cenas "do interior da Bolívia, do Senegal". Deu de ombros para o metrô, cuja discussão dominou a cidade nos últimos quatro anos:

Não vou fazer. Metrô é pra toupeira".

Ao final da entrevista, quando se despedia da reportagem, fez questão de mostrar o boneco de um livro "de 531 páginas", de sua autoria, sobre a história de Curitiba. "Sou o único prefeito capaz de escrever um livro sobre a própria cidade", gabou-se.

Leia os principais trechos da entrevista.

Administrar na crise e "lavar a cidade"

UOL - O senhor vai assumir um município em crise financeira. Num cenário em que Estados e prefeituras de todo o país estão, um a um, quebrando. Em Curitiba, um levantamento feito pelo Livre.jor para o jornal Gazeta do Povo mostra que o prefeito Gustavo Fruet deixará dívidas que ultrapassam os R$ 400 milhões...
Rafael Greca - A dívida deve ser o dobro ou para pior. De mais de bilhão de reais. Mas não tenho medo. Curitiba é mais forte que as dificuldades, tem economia dinâmica e vamos fazer um governo pró-ativo, com otimismo, ânimo e ajuda de toda a cidadania para fazer a cidade superar as dificuldades. O grande equívoco do Fruet foi colocar como receita corrente líquida a bilheteria do transporte coletivo. Isso leva a crer que a receita não é de R$ 9 bilhões, como eles falam, mas, segundo um número mais próximo da realidade, e que não é oficial, em torno de R$ 6,738 bilhões. São R$ 2 bilhões a menos. Isso mostra que a cidade estaria no limite de prudência [de gastos com o funcionalismo], ou já ultrapassado o limite de prudência da lei de responsabilidade fiscal. O prefeito Gustavo Fruet é administrativamente improbo, se esse número for comprovado. Vou congelar contratações, a não ser de emergência, em saúde, segurança e educação, os índices salariais…

Rafael Moro Martins/UOL
Em novembro, Rafael Greca (à esq.) e Gustavo Fruet se encontraram
Procurada pelo UOL, a prefeitura respondeu o seguinte: "As informações contidas na declaração [de Greca] são equivocadas. A inclusão das receitas provenientes do transporte coletivo no cálculo da Receita Corrente Líquida é uma obrigação legal. A Prefeitura de Curitiba vem cumprindo rigorosamente os limites legais de gastos com pessoal estabelecidos na LRF. No fechamento do segundo quadrimestre de 2016, o índice era de 44,31%. O limite máximo permitido pela LRF é de 54%."

UOL - Não vai haver aumento para o funcionalismo em 2017?
Greca -
Não sei. Depende de a gente superar esse [possível problema com o] limite [de gastos com o funcionalismo]. Eles não vão ter como reclamar comigo, devem se dirigir à casa do Gustavo Fruet. O que o funcionalismo tem que por na cabeça, no Brasil, é que, pior que não ter esperança de aumento, é não receber salário, não ter dinheiro para pagar as contas no fim do mês. Eu não quero lançar Curitiba no vexame do Rio de Janeiro e de outros lugares do Brasil, onde governos não desempenharam a ponto de não pagar a folha. Tenho muito respeito pelos meus colegas funcionários públicos municipais, sou funcionário público municipal, do Ippuc, e vou tentar fazer o máximo para preservar a capacidade de pagamento da prefeitura. Para isso, estou criando 12 secretarias, em vez das 23 que temos…

UOL - Qual a economia real com isso? Os funcionários, a prefeitura já tem. O que se economiza além de alguns cargos em comissão?
Greca -
Não só em cargos em comissão como em funções gratificadas. Não temos o número, ainda. Está sendo avaliado. A prefeitura tem 3.500 funções gratificadas, e nós não vamos preenchê-las. Também se economiza em dinamismo na gestão: é mais fácil falar com 12 pessoas que com 40. Quero fazer um governo muito enxuto, em que as coisas funcionem para o bem. Em Nova York, a fundação cultural é uma agência, muito simples e pequena. Mas isso não impede Nova York de ser a cidade com maior movimento cultural do mundo…

UOL - Vamos voltar à questão econômica. Temos um sistema de transporte que está em crise. As empresas dizem que o que recebem atualmente não dá pra comprar ônibus novos, e a Justiça dá razão a elas desde 2012. A PEC do teto dos gastos foi aprovada e irá fechar as torneiras para gestores públicos. Nesse cenário, como governar?
Greca -
Com criatividade. No ato de posse, já vamos ter assinatura de atos de acesso à saúde. O governo do Estado irá me disponibilizar recursos para comprar medicamentos para os postos de saúde pelo menos para o primeiro bimestre. Vamos começar a reintegração do transporte [de Curitiba com o da região metropolitana]. Conversamos com o ministro da Saúde [Ricardo Barros, paranaense e aliado político de Greca] para buscar mais recursos para hospitais. Traremos a Curitiba, no dia 19 de janeiro, o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, para lançar o Caixa Hospital, uma linha de financiamento especial para hospitais em dificuldades. Vamos ver o que existe em Brasília; se o dinheiro oferecido pela Caixa que o Fruet não realizou ainda estiver disponível, tenho verba para dois anos para ser um homem feliz, tenho o otimismo como perfume da minha vida e sem dar bola para a crise. Vou começar lavando a cidade. É indizível o meu prazer de lavar a cidade de Curitiba. Vamos fazer uma grande Lava Jato, física. Tem cocô humano nas ruas de Curitiba. Nós nunca fomos tão humilhados, nós os curitibanos. A razão da minha candidatura é essa humilhação da população formal da cidade, por esse abandono público...

Vamos fazer uma grande Lava Jato, física"

UOL - O que o senhor quer dizer com população formal da cidade?
Greca -
A população que mora nos domicílios, que é dona das lojas, que vai e volta de ônibus...

UOL - E o que será feito da população informal?
Greca -
Vai ser acolhida. Vamos abrir as fazendas para os drogados. Vamos fazer uma grande acolhida social.

UOL - O senhor é a favor da PEC do teto?
Greca -
A PEC do...?

UOL - Do teto de gastos. A PEC 55, aprovada e promulgada pelo Congresso Nacional, que limita à inflação do ano anterior o aumento dos gastos públicos.
Greca -
Eu não estudei [a PEC], mas acho que tudo que seja pelo equilíbrio fiscal é bom para o país. A administração pública tem que gastar melhor, não precisa gastar mais. Tenho notícias de régias gratificações na gestão Fruet, da companheirada (em menção ao PT, que faz parte da administração do pedetista). Vamos cortar tudo isso.

UOL - O texto da proposta da PEC do teto diz que os investimentos serão mantidos nos mesmos patamares, corrigidos pela inflação. O senhor mesmo diz que há problemas na saúde. O senhor está seguro de que há dinheiro no orçamento do município para resolver esses problemas?
Greca -
É. Se conseguirmos manter R$ 1,6 bilhão, que foi a despesa deste ano com saúde, ela será resolutiva e eficiente. É muito dinheiro.

UOL - A crise financeira de Estados e municípios pode fazer com que sua popularidade caia rapidamente, algo já que ocorreu com o atual prefeito. Como lidar com isso?
Greca -
Com serenidade. Estarei nas ruas, serei um regulador da qualidade dos serviços públicos. E não me importo com isso, mas com a qualidade da administração. Não sou candidato a "miss simpatia". Sou candidato a ser um prefeito eficiente.

UOL - Curitiba vai tentar ganhar uma parte do dinheiro da repatriação de recursos mantidos ilegalmente no exterior?
Greca -
Vou atrás de todo o dinheiro que possa contemplar o povo de Curitiba.

UOL - O senhor esteve recentemente com o presidente Michel Temer. Falou sobre isso?
Greca -
Não. Com ele, falei da necessidade de priorizar investimentos em saúde pública. Disse a ele que a forma melhor de buscar uma presença efetiva no coração do povo brasileiro era resolver o gravíssimo problema da saúde. Pelo jeito, fui ouvido.

Não sou candidato a 'miss simpatia'. Sou candidato a ser um prefeito eficiente"

Pedro Serapio/Gazeta do Povo
Rafael Greca vota ao lado da mulher Margarita Sansone

Oficina de música

UOL - O senhor pediu ao prefeito Gustavo Fruet para cancelar a tradicional oficina de música de Curitiba, um evento de mais de 30 anos, por falta de dinheiro.
Greca -
Estou reiterando esse pedido. Vou mandar processar o sujeito se ele ordenar despesas e avançar no meu governo.

UOL - Ele disse que o senhor poderá fazer isso a partir do dia 2 de janeiro. Fará?
Greca -
Já cancelei. Já anunciei. Não vou pagar. O senhor Marino [Jr., presidente do Icac, entidade que gerencia a cultura na cidade] vai pagar a conta da oficina de música, e será responsabilizado criminalmente. Autorizar empenho, sem financeiro, não é mandar pagar. Ele não pode avançar no meu orçamento. Tenho segurança jurídica disso. Vou mandar de novo emissários no Icac para dizer que não me desafiem. A população não quer oficina de música, quer médico e remédio. Fizemos uma votação informal na internet, e a população derrotou essa ideia. Quem quer a oficina de música são as pessoas que ganham com a oficina de música.

Consultado pelo UOL, o Icac informou o seguinte: "O contrato de gestão com a prefeitura prevê os repasses da Oficina de Música com parcelas nos dois exercícios fiscais, 2016 e 2017, e que a alteração de metas contratuais, como o cancelamento do evento, deve ser comunicada em tempo hábil para minimizar o impacto da medida, o que não ocorreu no caso em questão".

Já a Fundação Cultural de Curitiba, também envolvida no evento, disse que "não foi autorizado nenhum empenho para o exercício de 2017, apenas o de 2016, que garantiu a pré-produção da Oficina. O órgão lembra, contudo, que o valor da parcela de janeiro consta no orçamento para o próximo ano. Quem autoriza ou não o empenho da segunda parcela é o próximo prefeito".

Transporte público

UOL - Em fevereiro, motoristas e cobradores de ônibus terão aumento salarial. Os vencimentos deles são o maior componente da tarifa. Quer dizer: deve vir aumento pela frente para os usuários. E as empresas querem um aumento acima da inflação, pois dizem que com o que ganham hoje não dá pra comprar ônibus novos, um argumento que a Justiça aceitou ainda em 2012. Na campanha, o senhor garantiu que haverá renovação de frota. Como fazer isso, na prática? Qual sua estratégia?
Greca -
Vou procurar o valor justo da tarifa. Estudo questionamentos do Tribunal de Contas [do Estado] sobre o contrato [do transporte] e o cálculo da tarifa. A tempo e a hora, vou apresentar uma solução. Vou ter que fazer um acordo com as empresas. E haverá uma ampla consulta à população de que rumos devo dar ao transporte. Mas a cidade precisa de renovação de frota. Não podemos ter ônibus parando em ladeiras que não conseguem subir, com todo mundo andando a pé ao lado do ônibus como se fosse uma cena de um ônibus do interior da Bolívia, do Senegal.

UOL - Mas como convencer a empresa a fazer isso? Hoje, elas estão dispensadas por decisão judicial.
Greca -
Eu confio na Justiça do Brasil e do Paraná.

UOL - A Urbs (empresa municipal que administra o transporte) diz que esgotou todos os recursos.
Greca -
Teremos uma nova Urbs.

UOL - Mas quanto tempo vai levar essa discussão? A cidade não tem um único ônibus novo desde 2012.
Greca -
Não sei. Mas sabemos como fazer e vamos fazer direito. Esse discurso derrotista vai cair por terra.

UOL - Um dia após sua vitória, o governador Beto Richa anunciou que voltará a subsidiar o transporte coletivo em Curitiba. Isso não deixou claro que ele agiu politicamente contra o atual prefeito, adversário dele?
Greca -
Ele fez isso porque eu pedi. Em 2015, em carta escrita e assinada, o doutor Gustavo Fruet renunciou ao subsídio…

UOL - A carta não expressa isso em momento algum.
Greca -
Eu acho que diz.

UOL - Ela deixa claro que faltou boa vontade de ambas as partes.
Greca -
Uma das razões de aceitar o apoio do PSDB na minha chapa foi a promessa de que haveria a reintegração do transporte [com a volta do subsídio]. E ele cumpriu. Foi um jogo claro, que toda a população assistiu e pelo jeito aprovou, pois estou eleito.

UOL - O governador, quando prefeito, lançou o edital de concorrência que deu origem aos contratos que existem hoje, considerados inviáveis pelas empresas.
Greca -
Propus uma ampla discussão disso com o Ministério Público. Vou fazer. Acho que as empresas têm todo o interesse em sair do impasse. Estão perdendo passageiros, vendo o sistema degringolar, sendo questionados judicialmente. Não tenho medo de conduzir essa discussão. Temos que fazê-la, para tirar da sua boca essa flecha de suspeição política sobre uma questão técnica. Isso faz mal à cidade. Não pode haver dúvidas de que o sistema é bem operado, de que a tarifa é justa, que as pessoas estão sendo transportadas com o menor custo possível.

UOL - Foram os jornalistas que criaram o problema? Ou é um problema de gestão?
Greca -
Foram até os políticos. Nunca houve um conflito tão grave como esse que o Gustavo Fruet deixou acontecer.

UOL - Só ele? O governador não tem nenhuma culpa nessa história? O senhor o exime de culpa?
Greca -
Não vou ser juiz do governador. Ele é meu aliado, e nesse momento nós estamos muito felizes. Ele vai na minha posse e, nesse momento, não tem defeitos.

Metrô

Metrô é pra toupeira. Só tatu e toupeira é que morrem cavoucando. Não vou fazer. Não é próprio do nosso tempo"

UOL - Urbanistas criticam sua posição de engavetar o projeto de metrô em Curitiba. Dizem que não é possível abandonar um modal que será necessário mais cedo ou mais tarde. Como o senhor responde a eles?
Greca -
Com o mesmo dinheiro que financiaria um sexto do metrô, faço 27 trincheiras, termino a Linha Verde, modernizo o Inter 2 (linha circular que une alguns dos bairros mais populosos da cidade), a ligação entre Araucária e o aeroporto, a onda verde de semáforos. É uma série de ações que faz a população esquecer o sonho do metrô.

UOL - Sonho ou necessidade?
Greca -
Não é uma necessidade. Hoje há soluções de superfície muito melhores. O metrô era um sonho quando foi feito em Londres, há 150 anos. Por que precisa enterrar o povo trabalhador? Não dá pra colocá-los na superfície?

UOL - Eu é que pergunto: dá?
Greca -
Dá. Temos boas manifestações de interesse na prefeitura, uma de um consórcio liderado pela Volvo, outra do doutor Jaime Lerner e da Alstom, e uma terceira da sociedade peatonal. Nenhuma delas é enterrada. Metrô é pra toupeira. Só tatu e toupeira é que morrem cavoucando. Não vou fazer. Não é próprio do nosso tempo. Por que vou gastar R$ 20 bilhões se posso gastar R$ 2 bilhões?

A polêmica das obras de arte desaparecidas

UOL - A pedido de seus advogados, a Justiça suspendeu a atuação de uma comissão municipal que investigava o desaparecimento de obras de arte do acervo municipal semelhantes a peças que o senhor mantém em sua chácara em Piraquara (região metropolitana de Curitiba). Qual será o futuro dessa comissão, quando o senhor assumir a prefeitura?
Greca -
O da lei. Não vou me manifestar. Pedi um perito, que está para ser designado pela Justiça. Minha casa está à disposição.

UOL - O cidadão curitibano terá uma explicação sobre a coincidência das obras desaparecidas com as que estão em sua chácara? Ele pode confiar numa investigação que será comandada por subalternos de um dos suspeitos?
Greca -
Na minha campanha, já respondemos a isso, a moradora sobrevivente da casa [Klemtz, onde estariam as obras que desapareceram do acervo municipal] disse que nunca viu aquelas obras. Fui vítima de um ato de terrorismo político comandado por um adversário meu que perdeu a eleição por causa disso. Vou fazer um inventário de todos os bens culturais de Curitiba. Já tenho desconfiança de bens que desapareceram do acervo.

UOL - Por exemplo?
Greca -
Não sei. Mas vou fazer. Me aguardem.

Carreira política

UOL - O senhor venceu sua primeira eleição desde 2002 este ano. São 14 anos. Coincidentemente ou não, seu período sem vitórias nas urnas coincide com o que o senhor passou no PMDB do senador Roberto Requião. Se arrepende de ter sido um peemedebista? Acha que se tornou mais um caso que comprova a tese de que, mesmo carismático e dono de eleitorado fiel, Requião é incapaz de eleger aliados?
Greca -
[Irônico] A última vítima foi o filho dele, o pequeno Requião [filho, deputado estadual e candidato derrotado à prefeitura]. Por que eu seria diferente? Mas não me arrependo de nada na minha vida. Ela foi muito boa, e agora está coroada, para desespero dos meus inimigos.

UOL - Quem são seus inimigos?
Greca -
Os que pensavam que eu estava morto e agora me viram ressuscitar. Estão todos convidados para as 18h do dia 1º de janeiro, para a minha posse. Lá, eles podem ir exercer o seu desespero. Ou a sua inveja.

UOL - Quanto se gastará na cerimônia de posse?
Greca -
Nada. Tudo já existe e é da prefeitura. Não haverá flores, porque acho de mau gosto. A banda é a Lira Curitibana, que vai tocar o hino da cidade. E a saliva e o fosfato para o discurso são meus.

UOL - Um peemedebista me disse que o senhor recusou ser candidato pelo partido à prefeitura dizendo estar "acabado politicamente".
Greca -
Não procede. Até porque entrei em 2015 no PMN, não foi? [pergunta a assessor]. Foi em 2015. Quando soube que o senador queria por o seu filho [como candidato], tratei de educadamente deixar o caminho livre.

UOL - O senhor tem 60 anos. Esse mandato é para concluir sua carreira política? Ou ela renasceu com a vitória em outubro?
Greca -
Quem é que pode saber? Tenho muita alegria de servir à minha cidade. Chame de volta o Ricardo Kotscho, o assessor de Lula, para escrever outro capítulo: "Dom Rafael, o venturoso, dois". Ele escreveu um artigo para mim, uma vez, me chamando de "Dom Rafael, o venturoso".

UOL - O senhor será candidato a reeleição?
Greca -
Seu eu tiver êxito, sim. Senão, não. E se houver reeleição, também. Esse país muda de lei a cada eleição.

RODRIGO FÉLIX LEAL/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Rafael Greca durante campanha à Prefeitura de Curitiba

O pendão à polêmica

UOL - Uma frase sua marcou a campanha eleitoral este ano, sobre o "cheiro de pobre". O senhor é reconhecido como um grande orador, mas também como um homem que não tem freios na língua. Não tem medo de ser traído pelas palavras novamente?
Greca -
De maneira alguma. Aquele dia estava dando aula de serviço social e falei de coração desarmado. Fui vítima de hipocrisia de parte da imprensa e de pessoas que nunca fizeram nada pelos pobres (Na verdade, era uma sabatina eleitoral, promovida pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná e pelo jornal "Bem Paraná"). Não me arrependo de ter dito o que disse.

Quem é

Engenheiro, ex-ministro do Esporte e Turismo --sob FHC-- e ex-prefeito entre 1993 e 96 --na época, era filiado ao PDT--, Rafael Greca, 60, volta ao Palácio 29 de Março com apoio do governador Beto Richa (PSDB) após fracassar em 2012, quando, pelo PMDB, caiu no primeiro turno.

Engenheiro e funcionário aposentado do Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba), Greca começou sua trajetória política em 1982, quando se elegeu vereador pelo PDS, partido de apoio da ditadura militar. Dali, rumou para o PDT, junto com o então prefeito Jaime Lerner, de quem seria eleito sucessor em 1992.

Após deixar a prefeitura, filiou-se ao PFL (atual DEM) e, em 1999, foi nomeado ministro do Esporte e Turismo por Fernando Henrique Cardoso (PSDB). Demitiu-se, em 2000, após o fracasso das comemorações pelos 500 anos do descobrimento do Brasil. Mudou novamente de partido, desta vez para o PMDB, após romper com Lerner e aliar-se ao maior rival dele, o senador Roberto Requião. Por fim, deixou a legenda para viabilizar a candidatura que agora o recoloca na prefeitura.

Como Greca superou até "cheiro de pobre" para vencer

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos