PUBLICIDADE
Topo

Política

Padre enfrenta igreja para ser prefeito e diz que separar fé e política cria alienados

Eraldo Joaquim Cordeiro (PSD) é padre e foi eleito prefeito de Delmiro Gouveia (AL) - Divulgação
Eraldo Joaquim Cordeiro (PSD) é padre e foi eleito prefeito de Delmiro Gouveia (AL) Imagem: Divulgação

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

29/12/2016 05h00

A história do prefeito eleito de Delmiro Gouveia, no alto sertão alagoano, foge à regra da maioria dos políticos. Filho de agricultores pobres, Eraldo Joaquim Cordeiro (PSD) é padre da cidade desde 1989 e tem um histórico ligado a movimentos sociais do campo.

Aos 56 anos, padre Eraldo também tem um discurso diferente da maioria dos párocos, que --até por orientação da Igreja Católica-- mantêm distância da política.

"A fé não pode estar desgarrada da vida concreta. Se você dissociar a fé da política, você acaba criando um povo alienado. Sempre trabalhei para ajudar as pastorais sociais, e daí surgiu essa luta. É uma necessidade! Não adianta estar só falando de Deus e, ao mesmo tempo, alimentar os coronéis e poderosos que perpetuam nesse sertão sem dar oportunidade do povo participar do projeto político”, afirma.

Para chegar à vitória nas urnas em 2 de outubro, o pároco derrotou o deputado federal Givaldo Carimbão (PHS). Ressalte-se que o parlamentar contou ainda com o apoio do prefeito Lula Cabeleira (PMDB) --que termina neste mês seu quarto mandato (1997-2004/2008-2016) e é uma figura política importante do sertão alagoano. “Mas foi uma campanha civilizada, de debate, talvez o momento mais importante da vida de Delmiro", conta o padre.

Histórico de militância

Vista do canal do sertão em Delmiro Gouveia - Lula Marques - 18.jul.2012/Folhapress - Lula Marques - 18.jul.2012/Folhapress
Vista do canal do sertão em Delmiro Gouveia
Imagem: Lula Marques - 18.jul.2012/Folhapress
Natural de Água Branca, também no sertão alagoano, Eraldo Joaquim Cordeiro deixou o semiárido para estudar teologia no Recife durante o período da ditadura militar.

Quando chegou do Recife para assumir a paróquia de Delmiro Gouveia, enfrentou uma das épocas mais complicadas da história alagoana, nos anos 1990, quando o Estado entrou em grave crise econômica e prosperava uma quadrilha formada por policiais --alguns de alta patente-- conhecida como "gangue fardada". Nesse período, liderou a criação da CPT (Comissão Pastoral do Sertão), em 1992, e fortaleceu a luta por reforma agrária.

"Ajudei a criar também os bancos comunitários, sindicatos, MST, todos aqui no sertão. Essa sempre foi minha luta como pároco e agente pastoral", diz.

Como político, já foi filiado ao PT, ao PSB e estava no PCdoB até 2015, sigla pela qual seria candidato. Mas, em cima do prazo, percebeu que o partido tinha outro nome a lançar e se filiou ao PSD.

Não adianta estar só falando de Deus e, ao mesmo tempo, alimentar os coronéis e poderosos

Padre Eraldo

Segundo a prestação de contas oficial, o padre tem como bem apenas uma pequena propriedade na zona rural, onde vive, num valor estimado de R$ 90 mil. 

Padre Eraldo 1 - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
Padre Eraldo visita feira em Alagoas durante a campanha eleitoral
Imagem: Reprodução/Facebook
Suspensão da batina

Para se eleger, fez coligações com PRB, PTN, PSDC, PT e PRP. Mais que isso, precisou também desafiar as ordens da Igreja. O bispo de Palmeira dos Índios, Dulcênio Fontes de Matos, baixou um decreto proibindo padres filiados a partidos de celebrarem atos. Resultado, como se filiou, acabou suspenso de ordem em 2012, quando concorreu à prefeitura.

"Com o bispo anterior [Fernando Iorio], fui candidato a deputado [estadual] e cheguei a exercer sem problema. Mas cada bispo tem sua política... Ele baixou um decreto que suspende padre filiado a partido político. É um decreto, tem que obedecer", diz, deixando transparecer uma certa discordância do ato.

Mesmo sem críticas diretas aos colegas religiosos, o padre deixa um recado. "Não adianta só falar, falar. Chega um momento que o caminho é disputar os espaços e ajudar que o povo seja o ator."

Sem medo

Mesmo vivendo no Estado com maior índice de assassinatos do país, o pároco afirma que nunca temeu sofrer violência por entrar na política.

“Se a gente tivesse medo de estar nessa região, era melhor não ter nascido", brinca. "Mas todo mundo aqui se conhece. Agora, quando se trata de política, tem que ter posição, clareza e trazer todo mundo para a reflexão. Nunca tive medo, porque ele enfraquece principalmente os que mais precisam ter coragem, que são os pobres", afirma.

O padre nega o rótulo --muitas vezes dado a ele-- de socialista. “Sou apaixonado pelo Evangelho. A gente precisa criar a fraternidade, que é muito mais revolucionária que um regime político. O meu comandante é Jesus, que ajudava os pobres a multiplicar o pão. E é essa nossa missão: fazer com que educação, saúde, geração de emprego e os canais de água sejam colocado a favor dos mais pobres”, assegura.

Às vésperas de assumir o mandato, o prefeito eleito diz que os pobres serão prioridade. "Vou fazer um governo voltado para todos, que consiga trazer a periferia para o centro. Aqui é uma cidade bonita, mas que tem uma exclusão social, uma dívida social muito grande. Vai ser um governo para todos, mas voltado para os que têm mais necessidade", finaliza.

Política