Empresário que fornecia comida a escolas e presídios é preso na Lava Jato do Rio

Do UOL, no Rio

  • Reprodução/Blog do Garotinho

    Festa que ficou conhecida como 'farra dos guardanapos' e que inspirou nome da operação Ratatouille, desdobramento da Lava Jato

    Festa que ficou conhecida como 'farra dos guardanapos' e que inspirou nome da operação Ratatouille, desdobramento da Lava Jato

A Polícia Federal prendeu, nesta quinta-feira (1º), o empresário Marco Antônio de Luca, alvo da Operação Ratatouille, mais um desdobramento da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro. Ele foi detido em sua casa, na avenida Vieira Souto, em Ipanema, área nobre da zona sul carioca. Luca é ligado às empresas Masan e Milano,

Segundo a PF, o objetivo da ação é desarticular um esquema criminoso de desvio de recursos envolvendo o fornecimento de merenda escolar e alimentação de detentos no Estado. Os crimes teriam ocorrido na gestão do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB), que chefiou o Executivo entre 2007 e 2014. Cabral foi preso, em novembro do ano passado, e é acusado de chefiar um grandioso esquema de corrupção no RJ.

A investigação aponta que o empresário teria pago ao menos R$ 12,5 milhões em vantagens a autoridades públicas. A Masan e a Milano mantêm contratos com o governo do Estado do Rio. Luca será indiciado por corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A operação é realizada em conjunto com o Ministério Público Federal e a Receita Federal. Quarenta policiais cumprem um mandado de prisão preventiva e nove de busca e apreensão expedidos pela 7ª Vara Federal Criminal do Rio, do juiz Marcelo Bretas.

O nome da operação, Ratatouille, segundo a PF, remete a um prato típico da culinária francesa e faz referência ao jantar em um restaurante de alto padrão de Paris, no qual estavam presentes diversas autoridades públicas do Rio e empresários, entre eles estava Luca, que possuíam negócios com o Estado --em episódio que ficou conhecido como "farra dos guardanapos".

Em nota, a Receita informou que as diligências têm o objetivo de "esclarecer a existência de supostos pagamentos de propinas pelo principal alvo da operação ao grupo do ex-governador". "O empresário investigado foi sócio por muitos anos de empresas do ramo alimentício, havendo suspeitas de que empresas ligadas ao grupo tenham sido favorecidas em licitações públicas no Estado do Rio de Janeiro."

A operação está em andamento na capital fluminense (na Barra da Tijuca, Centro, Ipanema e Leblon) e nos municípios de Mangaratiba e Duque de Caxias.

Citado por operador de Cabral

No começo de maio, Luiz Carlos Bezerra, apontado como um dos operadores de Cabral, afirmou à Justiça ter recolhido dinheiro em empresas de De Luca, Fernando Cavendish e George Sadala, segundo reportagem da Folha de S.Paulo.

Os três aparecem nas imagens que remetem à "farra dos guardanapos", quando eles foram fotografados ao lado de secretários de Estado em um jantar em Paris.

"Eu apenas ia, recolhia o dinheiro e entregava onde era determinado", relatou Bezerra, na ocasião.

Segundo Bezerra --detido na Operação Calicute, da PF (a mesma que resultou na prisão de Cabral)--, De Luca constava com o apelido "Louco" na "contabilidade paralela" da quadrilha chefiada pelo ex-governador.

A investigação mostra que, entre 2011 e 2016, o somatório de recursos de propina apurados somente com as planilhas e anotações de Bezerra indica uma movimentação de R$ 37 milhões. "Se está nas minhas anotações, está correto", disse o operador, na ocasião.

Outro lado

A defesa de Sérgio Cabral se manifestará sobre as acusações em juízo. Já a Masan, em nota, informou que "trabalha com o governo do Estado desde 2005", isto é, antes do início da administração Cabral.

"Todas as licitações ganhas pela empresa foram pela modalidade de menor preço", alegou. Ressalta também que "nunca foi condenada por qualquer tipo de irregularidade em sua história."

"A empresa sofre hoje, como todos os prestadores de serviços, com a inadimplência do governo do Estado do Rio de Janeiro, que chega à casa de R$ 70 milhões. O passivo, iniciado em 2010, vem sendo cobrado na instância administrativa."

"A empresa sempre se colocou à disposição das autoridades para prestar todos os esclarecimentos necessários sobre suas operações."

A nota diz ainda que Marco Antonio de Luca não faria parte da Masan desde agosto de 2015 e que ele nunca teria feito parte do quadro societário da Milano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos