Temer recebe alta após passar por exame em hospital e diz estar "inteiro"

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

  • (AP Photo/Eraldo Peres/AP

    Temer deixa o hospital ao lado de Marcela

    Temer deixa o hospital ao lado de Marcela

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), recebeu alta médica no início da noite desta quarta-feira (25) após passar por exames urológicos no Hospital do Exército.

O presidente deixou o local às 20h15 e seguiu para o Palácio do Jaburu, onde mora. Aos cinegrafistas que aguardavam no local, Temer disse "estou inteiro".

Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência afirma que ele irá repousar. "O Presidente Michel Temer teve alta após as 20 horas. Ele passa bem e, seguindo orientação médica, irá repousar em casa."

Nas redes sociais, Temer agradeceu as mensagens de apoio e disse que "está bem".

O presidente também não irá a um evento marcado para esta quinta-feira (26) no TCU (Tribunal de Contas da União). Segundo assessores, ele terá agendas somente no Palácio do Planalto.

Segundo a assessoria da Presidência, ele estava no Palácio do Planalto quando se sentiu mal no final da manhã e foi consultado no próprio departamento médico do local. "O médico de plantão constatou uma obstrução urológica e recomendou que fosse avaliado no Hospital do Exército, onde se encontra para realização de exame e devido tratamento", informou em nota. Ele chegou ao hospital por volta das 13h.

Veja também:

Ainda de acordo com a Presidência, Temer foi submetido a uma sondagem vesical de alívio por vídeo. O procedimento busca esvaziar a bexiga e consiste em inserir um fio com uma microcâmera na uretra por meio do pênis.

O incidente com Temer ocorre no momento em que a Câmara dos Deputados vota se aceita uma segunda denúncia contra o presidente, apresentada pela Procuradoria-Geral da República, pelos crimes de obstrução de justiça e organização criminosa. Ministros de Temer, Eliseu Padilha e Moreira Franco, ambos do PMDB, também foram denunciados por organização criminosa.

O presidente permaneceu no hospital acompanhado por sua equipe de trabalho mais próxima e de familiares, como a mulher, Marcela Temer. Segundo assessores do Planalto, Temer ainda está em constante contato com sua equipe médica em São Paulo, liderada pelo cardiologista Roberto Kalil.

Temer entrou pela lateral do hospital, onde se dirigem generais e oficiais de alto escalão do Exército. Segundo a assessoria do hospital, o atendimento está normal e não foi afetado pela presença do presidente no local.

Na saída de Temer do hospital, cinco mulheres de militares pediram a volta do serviço de emergência no local.

Luciana Amaral/UOL
Cinco mulheres de militares pediram a volta do serviço de emergência no local

Elas reclamaram que, agora, precisam ir ao Hospital das Forças Armadas para serem atendidas de imediato. Uma ainda disse que teve o exame de mamografia desmarcado por causa da presença do presidente.

"Tive que desmarcar minha mamografia que estava marcada há dois meses. Agora só Deus sabe. Vou ter que esperar tudo de novo", reclamou Marina Bavaresco.

Outras também falaram que tiveram de desmarcar sessões de fisioterapia.

Aliados minimizam mal-estar

Integrante da "tropa de choque" de Temer na Câmara, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) afirmou que o presidente teve apenas uma "indisposição" e foi levado ao hospital para mais exames. "Ele está bem e muito bem. Jantamos juntos ontem, não há motivo para preocupação."

O líder do governo, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), afirmou no plenário da Câmara que o presidente apenas passou por "exames de rotina" e que retornaria ao Planalto ainda hoje. O deputado federal Sinval Malheiros (Podemos-SP), que é gastroenterologista, foi ao hospital, mas disse que não conversou com Temer, apenas com assessores e familiares.

"Ele teve um probleminha urinário, como se fosse uma dificuldade para urinar súbita, mas não teve obstrução importante. A solução é clínica, não há necessidade de cirurgia", falou, ao acrescentar que, nesses casos, só é preciso uma anestesia local, sem perda de consciência. Segundo ele, a situação pode ter sido desenvolvida devido ao estado emocional do presidente.

"Isso é lógico. Qualquer pessoa é sensível às emoções. A emoção pode afetar qualquer parte do corpo, sem ser grave", relatou. A obstrução urinária geralmente decorre por um crescimento da próstata. A próstata em um tamanho maior comprime a uretra, canal peniano, e pode levar o paciente a não conseguir urinar.

No início do mês, foi divulgado que Temer, que tem 77 anos e é o presidente mais velho que o Brasil já teve, está com obstrução parcial de uma artéria coronária. O problema foi detectado em exame de imagem. Temer deverá passar por tratamento medicamentoso e dieta.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos