Pimentel diz ver com "estranheza" pedido de impeachment contra ele

Carlos Eduardo Cherem

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

  • Manoel Marques - 10.nov.2016/Imprensa MG

    Governador Fernando Pimentel (PT-MG) durante evento em novembro de 2016

    Governador Fernando Pimentel (PT-MG) durante evento em novembro de 2016

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), declarou ver com "estranheza" a decisão desta quinta-feira (26) da Assembleia Legislativa de acatar um pedido de abertura de impeachment contra ele por crime de responsabilidade.

Em nota enviada à imprensa por sua assessoria, o petista declarou que o pedido é "inconsistente e sem sustentação jurídica" e disse que não é momento de se criarem "aventuras políticas que coloquem em risco a estabilidade" de Minas. "A concertação e o diálogo construídos até aqui entre as instituições estaduais continuam sendo o caminho mais seguro para a superação de qualquer divergência", diz o comunicado.

Leia também:

Pimentel afirmou ainda reconhecer a abertura do processo "como uma prerrogativa dos parlamentares mineiros" e disse que os parlamentares "saberão analisar o caso com a prudência necessária".

O pedido de impeachment, que requer a cassação de Pimentel e a inabilitação para exercer função pública pelos próximos oito anos, foi apresentado no dia 9 pelo advogado Mariel Marley Marra e é justificado pelos atrasos do governo estadual nos repasses a prefeituras mineiras, a fornecedores do Estado e à própria Assembleia Legislativa. Um calote de R$ 300 milhões levou o Legislativo mineiro a atrasar o pagamento dos salários dos servidores comissionados e dos deputados este mês.

Deputados aliados ao governador argumentam que a aceitação do pedido por parte do presidente da Assembleia, Adalclever Lopes (MDB), se deve a rusgas na relação entre o deputado e setores do governo estadual.

"O relacionamento entre Adalclever e algumas secretarias do governo não está bom. Não é nada entre ele e o Pimentel. Tem mais a ver com o entorno dos dois do que entre os dois. Eles têm que se entender, há uma amizade entre o governador e o Adalclever", afirmou o líder do governo na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado estadual Durval Ângelo (PT). "Agora é tentar reconstruir as pontes, isso é possível. O impeachment não é o fim desta aliança", disse.

Pimentel, que já foi prefeito de Belo Horizonte e ministro do governo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), está à frente do governo de Minas Gerais desde 2015 e deve ser candidato à reeleição em outubro deste ano.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos