PUBLICIDADE
Topo

Política

Eduardo Bolsonaro nega desavenças com Mourão e outros generais do governo

Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em entrevista ao programa É Notícia, da Rede TV - Reprodução/Rede TV
Deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) em entrevista ao programa É Notícia, da Rede TV Imagem: Reprodução/Rede TV

Do UOL, em São Paulo

13/02/2019 05h39

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL), negou conflitos dele e dos irmãos com o vice-presidente, general Hamilton Mourão (PRTB), e com outros militares que integram o governo.

"A maioria disso [das críticas sobre as interferências dos filhos] é inventado. Tudo está na esfera de cogitação, intriga. Às vezes, eu vejo uma notinha: ?Filhos de Bolsonaro são rechaçados por general?. Aí, vou falar com eles (...) e está tudo na perfeita normalidade. Mas tentam apresentar à sociedade que a gente está em conflito, o que é uma mentira", justifica.

Eduardo definiu Mourão, especificamente, como "bom vice-presidente" e "extremamente inteligente, honesto e leal", mas afirmou que lhe "falta só um pouquinho de traquejo político".

Nas últimas semanas, o vice-presidente tem dado declarações polêmicas em relação à linha política do grupo de Jair Bolsonaro. Ontem, ele se contrapôs a uma declaração do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e afirmou que "Chico Mendes faz parte da história do Brasil na defesa do meio ambiente". Salles havia questionado a importância do ativista e seringueiro. "Que diferença faz quem é Chico Mendes neste momento?"

No início de fevereiro, Mourão afirmou ao jornal "O Globo" que a decisão de abortar deve ser da mulher e, em 29 de janeiro, quando o irmão de Lula morreu, ele defendeu que a ida do ex-presidente ao enterro era "uma questão humanitária".

À coluna de Mônica Bergamo, pouco antes da posse, militares afirmaram que os filhos de Bolsonaro "precisam amadurecer". A análise ocorreu após Eduardo ter dito que parlamentares do PSL, antes das eleições, eram "favelados" que só conseguiram votos por causa do pai.

Mais presídios e pena de morte

Eduardo Bolsonaro repetiu seu posicionamento a favor da pena de morte, ponderando sobre sua impossibilidade por conta de impedimento de cláusula pétrea da Constituição.

Sobre o problema de segurança pública, ele defendeu que quem for reincidente "tem de morrer na prisão".  

Ao ser questionado sobre como resolver o problema das superlotações dos presídios, a proposta do parlamentar foi construir mais presídios e seguir o modelo de encarceramento dos Estados Unidos, que tem a maior população carcerária do mundo.

"Constrói no meio da Amazônia, na Ilha Grande (RJ). No Brasil, há muitos lugares isolados que dá para construir, sim", enumerou o deputado.

Veja abaixo a entrevista na íntegra:

Política