Topo

CNT/MDA: para 56,8%, filhos estão interferindo em decisões de Bolsonaro

O vereador Carlos, um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro - Reuters
O vereador Carlos, um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro Imagem: Reuters

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

26/02/2019 11h51

Resumo da notícia

  • Prestes a completar dois meses no poder, governo Bolsonaro é avaliado positivamente por quase 40% da população
  • No entanto, a participação dos filhos na administração do governo é criticada
  • Para 75,1%, os familiares não devem influenciar nas decisões de um presidente
  • 73,3% dos entrevistados acreditam que Carlos Bolsonaro teve influência na demissão do ministro Bebianno

Os familiares de um presidente da República não devem influenciar o mandatário nas decisões de governo para 75,1% da população, aponta pesquisa do instituto MDA encomendada pela CNT (Confederação Nacional do Transporte) divulgada hoje em Brasília. Isso independentemente de os familiares serem ou não políticos.

Na avaliação de 56,8% dos entrevistados, os filhos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) - vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) - estão interferindo nas decisões do pai no Palácio do Planalto.

Um dos casos em que a interferência da família em assuntos de governo veio à tona foi na exoneração do ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno (PSL).

Ele teve a saída oficializada em 18 de fevereiro após travar discussões com o presidente e ser criticado publicamente nas redes sociais por Bolsonaro e seu filho Carlos.

Segundo a pesquisa, 58,3% estão acompanhando ou ouviram falar do caso e, destes, 54,5% acharam que a demissão foi "justa". Ainda dentre os que ficaram sabendo da exoneração, 73,3% acreditam que Carlos Bolsonaro teve influência no episódio.

Quando a exoneração de Bebianno foi anunciada pelo porta-voz da Presidência, general Otávio Santana do Rêgo Barros, ele justificou a ação como de "foro íntimo". De acordo com a pesquisa divulgada hoje, 85,9% consideram que a população tem o direito de saber o motivo das demissões de ministros.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas em 137 municípios de 25 Unidades Federativas nas cinco regiões do país entre os dias 21 e 23 de fevereiro. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%. Ou seja, a probabilidade de a pesquisa retratar a realidade é de 95%.

Carlos Bolsonaro divulga áudio do pai com Bebianno

UOL Notícias

Política