Topo

Câmara vive guerra de placas de salas com 'Rua Marielle' e 'Marginal Lula'

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

2019-06-27T04:01:00

27/06/2019 04h01

Diz-se em política que governo sem base não aprova nem nome de rua. E na Câmara Federal, de certo modo, é visível esse fenômeno: polarizados, deputados de esquerda e direita, da vellha e da nova política, travam uma batalha silenciosa para nomear gabinetes e corredores da Câmara de Deputados.

Com o acirramento dos ânimos, após revelações de supostas conversas privadas entre membros da Lava Jato e o ex-juiz Sergio Moro, o ato simbólico viralizou pelos corredores. A cada dia, um gabinete ganha uma nova identificação. A diretoria da Câmara despachou, esta semana, ofícios para que as referências sejam retiradas.

Gabinete de Marcel Van Hattem/Divulgação
Julian Lemos (PSL) provoca com 'Marginal Lula', em referência à via em SP e à prisão do ex-presidente Imagem: Gabinete de Marcel Van Hattem/Divulgação
A instalação de placa em frente ao gabinete começou com deputados da esquerda que trouxeram das ruas o "endereço" "Rua Marielle Franco". No Anexo III da Câmara, por exemplo, o gabinete de David Miranda (Psol-RJ) ostenta uma dessas desde o início da gestão.

A cerca de 20 metros dali, a deputada Rosa Neide (PT-MT) também instalou uma.

O troco veio semana passada, com o líder do Novo, Marcel Van Hattem (RS). Ele inaugurou a "Avenida Operação Lava Jato". O evento teve direito a vídeo nas redes sociais.

"É um pouco de ato político e descontração, ainda mais diante de um gabinete cheio de 'Lula livre'", disse Van Hattem.

Nesta terça-feira (25), Márcio Jerry (PCdoB-MA) instalou em seu gabinete a "Avenida Lula Livre". O adereço ficou coberto por um pano durante o dia todo, até a inauguração, à noite.

A resposta da direita veio no dia seguinte, quando Julian Lemos (PSL-PB) emplacou: "Marginal Lula tá preso, Babaca / Avenida Operação Lava Jato".

"É uma demarcação política. Até brinquei com o Marcel, que colocou a Lava Jato do lado direito e eu coloquei o Lula Livre do lado esquerdo. Acho que podem aparecer mais placas", disse Jerry.

Assessoria de Marcio Jerry (PCdoB/MA)
Deputado Marcio Jerry (PC do B/MA) mostra placa em corredor da Câmara Imagem: Assessoria de Marcio Jerry (PCdoB/MA)

Câmara pede retirada

Uma convivência menos pacífica aconteceu no Anexo IV. Alguém retirou as placas das deputadas Talíria Petrone (Psol-RJ), Fernanda Melchionna (Psol-RS), Luiza Erundina (Psol-SP) e Sâmia Bonfim( Psol-SP). As deputadas instalaram novas no lugar.

Elas não sabem se foram removidas por parlamentares, assessores de deputados ou funcionários da Casa. Mas houve pedido formal para que fossem retiradas.

O ofício assinado pelo diretor-geral, Sérgio Sampaio Contreiras de Almeida, comunica que a "afixação de cartazes e afins nas dependências internas e externas da Câmara dos Deputados depende de prévia análise da Secretaria de Comunicação Social". A reportagem identificou que as deputadas Sâmia, Fernanda Melchionna e o deputado Van Hattem receberam o documento.

O documento diz que as placas instaladas podem "colocar em risco a população circulante nos edifícios da Casa, bem como passar a errônea impressão de nomeação oficial de espaços, o que só é possível mediante Resolução".

Van Hattem disse que irá retirar a placa e disse que a medida deve valer para todos.

Richard Silva/PCdoB
Administração da Câmara diz que placas irregulares colocam pessoas em risco e dão informação errada sobre salas e corredores Imagem: Richard Silva/PCdoB

Mais Política