Topo

Bolsonaro aciona Moro para porteiro prestar depoimento à Polícia Federal

Adriano Machado/Reuters
Imagem: Adriano Machado/Reuters

Luciana Amaral

Do UOL, em Riad (Arábia Saudita)

30/10/2019 04h54Atualizada em 30/10/2019 13h08

Resumo da notícia

  • Porteiro disse que suspeito de matar Marielle foi à casa de Bolsonaro
  • Presidente quer que a Polícia Federal tome o depoimento do porteiro
  • Bolsonaro disse que estava na Câmara, em Brasília, no dia do assassinato de Marielle

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou hoje estar conversando com o ministro da Justiça, Sergio Moro, para que o porteiro de condomínio onde mantém residência no Rio de Janeiro possa ser ouvido novamente em depoimento na investigação que apura a morte da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), mas pela Polícia Federal.

"O porteiro ou se equivocou ou não leu o que assinou. Pode o delegado [da Polícia Civil] ter escrito o que bem entendeu e o porteiro, uma pessoa humilde, né, acabou assinando embaixo. Isso pode ter acontecido. Estou conversando com o ministro da Justiça, o que pode ser feito para a gente tomar, para a polícia pegar o depoimento novamente. O depoimento agora desse porteiro pela PF", declarou.

Reportagem da TV Globo relata que o porteiro do condomínio onde Bolsonaro mantém residência no Rio de Janeiro afirmou que o suspeito de matar a vereadora Marielle Franco pediu para ir à casa do presidente no dia do crime. O condomínio Vivendas da Barra, onde Bolsonaro tem casa, é o mesmo onde vivia o policial militar reformado Ronnie Lessa, apontado pelo Ministério Público e pela Polícia Civil como o autor dos disparos que mataram Marielle e Anderson.

"É um ato terrorista sem precedentes", diz advogado de Bolsonaro

Band News

Bolsonaro disse ainda estar "aguardando a TV Globo ter a dignidade" de o convidar para uma entrevista ao vivo no "Jornal Nacional", principal telejornal da emissora, a fim de esclarecer menção a seu nome na investigação que apura a morte de Marielle em março de 2018.

"Aguardo a TV Globo me convidar para o horário nobre do 'Jornal Nacional' falar sobre o caso Marielle no conjunto onde eu moro", declarou, ao sair do hotel em Riad, capital da Arábia Saudita, onde está hospedado.

O porteiro do condomínio onde morava Bolsonaro à época disse em depoimento que alguém com a voz dele autorizou a entrada de um dos suspeitos da morte da vereadora no dia do crime. Bolsonaro, no entanto, neste dia estava na Câmara dos Deputados, segundo registro de presença da Casa.

Fac-símile do controle de acesso ao condomínio Vivendas da Barra mostra registro do nome "Élcio", do carro "Renault Logan, placa AGH-8202" e da casa número "58", imóvel de Bolsonaro - Reprodução
Fac-símile do controle de acesso ao condomínio Vivendas da Barra mostra registro do nome "Élcio", do carro "Renault Logan, placa AGH-8202" e da casa número "58", imóvel de Bolsonaro
Imagem: Reprodução

Minutos após a divulgação da matéria no Brasil e na madrugada de Riad, seis horas à frente do horário de Brasília, Bolsonaro fez a transmissão ao vivo nas redes sociais. Ele mostrou grande indignação com o conteúdo da reportagem, atacou a imprensa e disse que está disponível para ser ouvido no processo. O presidente afirmou que conseguiu dormir apenas uma hora nesta noite.

Hoje, ele chamou a reportagem de mentirosa e disse que foi produzida com o objetivo de "prejudicar os negócios do Brasil" enquanto viaja pela Ásia e pelo Oriente Médio.

Bolsonaro nega envolvimento em caso Marielle e ataca Globo e Witzel

UOL Notícias

Críticas a Witzel

Bolsonaro voltou a criticar o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC) por supostamente vazar o processo que corria em segredo de Justiça.

"Você [Witzel] sabia que esse processo corria em segredo de Justiça. Isso quem vazou para a Globo foi você, como sempre a Globo vazando", disse, citando coluna da revista Veja que afirma que Witzel sabia antecipadamente da reportagem da emissora e estava contente com os fatos a serem revelados.

Witzel nega interferência na investigação e nega as acusações de que teria vazado informações à imprensa.

Bolsonaro ainda falou que Witzel teria comentado a ele que "o processo está no Supremo [Tribunal Federal]" em um encontro inesperado entre os dois no Clube Naval do Rio de Janeiro em 9 de outubro. Ao ser questionado sobre que processo seria esse, Witzel teria confirmado se referir ao de Marielle.

Ao perguntar o que teria a ver com o processo de Marielle, relatou Bolsonaro, Witzel teria dito que o porteiro do condomínio citou o nome do presidente.

"Então, no meu entendimento, o senhor Witzel estava conduzindo o processo com delegado da polícia civil para tentar me incriminar ou pelo menos manchar meu nome com essa falsa acusação que poderia estar envolvido na morte da senhora Marielle", falou Bolsonaro.

Para Bolsonaro, o porteiro está sendo usado pelo delegado da Polícia Civil por ser uma pessoa pobre. O presidente voltou a falar que Witzel só se elegeu por ter se colado à imagem dele e de um de seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), e agora quer prejudicar a família Bolsonaro para se eleger à Presidência da República em 2022.

Ouça o podcast "Baixo Clero", com análises políticas de blogueiros do UOL. Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política