Topo

Bebianno rebate acusação de Eduardo Bolsonaro: 'Só contei 3% do que eu sei'

O presidente da República, Jair Bolsonaro e Gustavo Bebianno, Secretaria-Geral da Presidência, durante cerimônia de posse presidencial no Palácio do Planalto, em janeiro de 2019 - Fátima Meira/Futura Press/Folhapress
O presidente da República, Jair Bolsonaro e Gustavo Bebianno, Secretaria-Geral da Presidência, durante cerimônia de posse presidencial no Palácio do Planalto, em janeiro de 2019 Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress

do UOL, em São Paulo

15/11/2019 12h12

Gustavo Bebianno, ex-ministro do presidente Jair Bolsonaro, rebateu as criticas feitas por Eduardo Bolsonaro de que ele seria sido desleal com seu pai.

"Só contei 3% do que eu sei. Meu objetivo não é destruir o governo, mas sim proteger o Brasil e sua democracia. Estou de olho o tempo todo no governo e na família Bolsonaro. Quero que o presidente pare de gerar crises, administre o país da melhor forma possível e conclua o seu mandato. É hora de os ânimos arrefecerem, em benefício do povo brasileiro. Não obstante, percebendo a existência de algo capaz de comprometer a nossa democracia, agirei", disse ele segundo a revista Época.

O comentário de Eduardo veio em uma sequência de tuítes explicando a escolha do general Hamilton Mourão para ser vice de Bolsonaro. Ele explicou porque o deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança, conhecido como "príncipe", não foi escolhido para o posto e afirmou que durante a campanha a "estratégia" de Bebianno seria que ele acabasse escolhido.

"Depois pressionou para ser ministro, queria poder. Mas rapidamente ele caiu, pois ele seria o vazador oficial da presidência para seus amigos da imprensa. A sede pelo poder cegou Bebiano e ele esqueceu que lealdade é valor básico para nós", escreveu Eduardo.

Política