Topo

PT precisa falar para além de um terço do eleitorado, diz líder do partido

Hanrrikson de Andrade e Daniel Carvalho*

Do UOL e da Folha, em Brasília

16/11/2019 01h59Atualizada em 18/11/2019 09h38

Resumo da notícia

  • Humberto Costa defende que partido se reinvente e dialogue com maioria da sociedade
  • Para senador, saída de Lula da prisão representa reforço na oposição a Bolsonaro
  • Petista afirma que esquerda tem 'plêiade de nomes' e vê possibilidade de aliança nas eleições
  • Sobre prisão após segunda instância, diz não ver chance de passar no Congresso

Líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE) afirma, em entrevista ao UOL e à Folha de S.Paulo, que a sigla precisa se reinventar para disputar as próximas eleições e começar a dialogar além da sua "base social", que representaria, segundo ele, um terço da sociedade.

Para o senador, o PT, desgastado pela Operação Lava Jato, precisou "dar ordem unida à tropa de resistir" a fim de sobreviver ao pleito de 2018. "Se considerarmos todo o massacre que o partido sofreu, nós chegamos perto", diz ele, em referência à derrota de Fernando Haddad para Jair Bolsonaro (PSL) no segundo turno da disputa pela Presidência.

O parlamentar afirma ainda ver a legenda muito "contaminada" pela repercussão dos escândalos e denúncias de corrupção. Por outro lado, ele aponta um caminho: "Não podemos continuar falando só para aquele terço da população que é a nossa base social."

O PT agora precisa falar para o terço que ele tem, mas precisa falar para mais de 50% da sociedade
Humberto Costa, senador (PT-PE)

Costa avalia que a oposição ao governo Bolsonaro passará a ter um "reforço" e uma "liderança de peso" após a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que deixou a prisão depois de o STF (Supremo Tribunal Federal) decidir pela proibição da execução da pena após condenação em segunda instância.

O senador também minimiza a possível fragmentação do campo da esquerda caso Lula não possa concorrer à Presidência em 2022.

"A esquerda tem uma plêiade de nomes e entre eles pode escolher um para essa disputa", afirmou, após citar nomes como Haddad, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B) e até mesmo o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) —hoje um dos desafetos de Lula.

Humberto Costa (PT) em entrevista ao UOL e à Folha de S.Paulo em Brasília - Kleyton Amorim/UOL
Humberto Costa (PT) em entrevista ao UOL e à Folha de S.Paulo em Brasília
Imagem: Kleyton Amorim/UOL

Para as eleições municipais de 2020, Costa diz ser defensor de uma frente ampla de esquerda, que consiga reunir ao menos cinco partidos (PT, PSB, PDT, PCdoB e PSOL). Mas também afirma estar aberto ao diálogo com outras siglas de centro ou centro-direita contra a extrema-direita.

Na visão do senador, o PT passa por um processo de "aprendizagem" dado o impacto da derrota eleitoral no ano passado. "Defendo que o partido possa ter a generosidade necessária para ser merecedor também do reconhecimento das outras forças políticas."

Parte dessa etapa em que o Partido dos Trabalhadores buscaria construir um diálogo mais amplo passa, diz ele, pela liberdade de Lula. Os primeiros discursos do ex-presidente indicariam essa predisposição a unir forças contra o governo Bolsonaro e a extrema-direita.

Lula vai procurar abrir um diálogo importante no Brasil. A democracia no Brasil, com a saída de Lula, começa a se pacificar
Humberto Costa

Após sair da cadeia, Lula afirmou que o Brasil precisa "seguir o exemplo do povo do Chile", país vizinho que atravessa protestos que levaram à demissão de oito ministros do presidente Sebastián Piñera.

Costa disse que não seria bom para o país uma onda de protestos violentos tal como tem ocorrido no Chile. "Nós queremos é que haja paz social. Agora, não pode ser a paz do cemitério. Não pode ser a paz que eu estou morrendo de fome ali e não vejo perspectiva para mim."

Leia a seguir os principais trechos da entrevista, concedida na quarta-feira (13), em Brasília. A íntegra da conversa também está disponível em podcast e no Youtube.

'Lula livre'

UOL/Folha - Com a liberdade de Lula, qual será o discurso do PT daqui para frente?

Humberto Costa - Eu digo até de certa forma que o PT ficou preso com o presidente Lula. Agora, com a saída dele, a oposição ganha um reforço político muito grande. Além de ser uma liderança de peso, Lula conversa e dialoga com amplos setores da sociedade brasileira. A nossa principal preocupação agora é ampliar essa oposição, resistir para que ainda mais conquistas que o povo já teve sejam eliminadas como estão sendo agora, e começarmos a produzir também uma alternativa a esse governo.

E qual vai ser o tom que o ex-presidente Lula vai adotar nas viagens que ele prevê pelo país?

Acho que o Lula que encontramos nestes primeiros momentos é alguém que estava há quase 600 dias preso. Um homem que foi impedido de disputar uma eleição que ele acreditava que poderia vencer, alguém que foi atacado e teve a sua reputação manchada. É alguém que saiu dali com um grito preso na garganta. Eu acho que ele desabafou, nominou os responsáveis pelo que ele viveu. Ele vai manter um tom elevado no sentido do enfrentamento a Bolsonaro, de fazer oposição.

Este governo não quer qualquer diálogo nem com a esquerda nem com o centro nem com ninguém

A ideia é atacar o governo Bolsonaro?

Temos que demarcar esta posição. Isso não significa desrespeitar o cargo do presidente. Mas ter uma posição firme do ponto de vista de criticar as políticas que estão sendo implementadas. Acho que Lula vai procurar abrir um diálogo importante no Brasil. A democracia no Brasil, com a saída de Lula, começa a se pacificar. O Brasil começa a se pacificar. Não vai ser Lula, muito menos pela trajetória que ele tem, de ser um homem da luta, mas também da conciliação; do enfrentamento, mas também da negociação; do posicionamento claro, mas também do entendimento.

Essas caminhadas que ele deve fazer são para apontar uma esperança para o povo brasileiro. O povo está muito sofrido neste momento.

Eleições

A esquerda não ficou refém de Lula e perdeu a oportunidade de fazer um novo nome surgir?

Os atores estão se construindo nessa própria disputa política. O PC do B, por exemplo, tem hoje o governador Flávio Dino fazendo uma grande gestão e se colocando muito bem no contexto da conjuntura nacional. A gente tem o PDT, mesmo com toda essa raiva que eu não sei de onde vem do Ciro, mas é um nome que tem competitividade para a eleição. O próprio Boulos saiu reconhecido como uma liderança importante. E o PT, além do Lula, tem o Haddad, que foi muito bem, e governadores que se destacam no cenário nacional.

A esquerda tem uma plêiade de nomes e entre eles pode escolher um para essa disputa. A unidade entre esses setores é o que faz a diferença para dar a esse candidato mais força.

Adianta ter uma esquerda tão fragmentada assim?

Tínhamos uma avaliação de que seria mais difícil compor uma frente política no início do governo Bolsonaro. Dado o resultado eleitoral, dada a postura que o próprio PDT e o Ciro tiveram, achávamos que ia ser difícil construir essa oposição. O próprio Ciro tentou em alguns momentos e de todas as formas que acontecesse um isolamento do PT. E, no entanto, conseguimos construir. Tanto que, na maior parte das ações que estão sendo realizadas dentro e fora do Parlamento, todos esses segmentos têm caminhado juntos.

Essa fragmentação pode até se dar no campo eleitoral, mas creio que haverá, sim, um encaminhamento para que nós possamos ter uma candidatura competitiva que envolva todos os segmentos em 2022.

Lula será o candidato do PT?

Nós defendemos que esse nome seja o Lula. Vamos lutar para que ele tenha a recuperação integral dos seus direitos políticos. Mas certamente isso será objeto de uma discussão que vai envolver todo mundo.

Se Lula não puder concorrer, o PT está disposto a ceder espaço e dar cabeça de chapa a outro partido?

A conjuntura vai ditar como as coisas vão acontecer Se, por exemplo, Lula recuperar os direitos políticos e tiver uma posição boa na disputa, ele poderá ser um fato de aglutinação como já foi em outros momentos. Se ele não for candidato, quais serão as outras alternativas? Poderemos debater se, em um primeiro turno, cada um vai procurar um caminho. E se, no segundo turno, vamos estar juntos. A eleição hoje está muito distante. No Brasil de hoje o longo prazo às vezes são 15 dias. Fica difícil fazer previsão.

Na eleição do ano passado, não teria sido melhor apoiar Ciro Gomes para enfrentar Bolsonaro no segundo turno?

De jeito nenhum. Se o Ciro Gomes efetivamente tivesse força, ele teria ido ao segundo turno e nós estaríamos com ele. Com certeza, o Fernando Haddad não iria para a França passar um tempo lá. Ele estaria na linha de frente da defesa dessa candidatura.

Mas a rejeição ao PT era grande.

O PT estava na linha de tiro já há um bom tempo naquela disputa. Tinha um projeto que começou a ser desmontado. Ele não tinha o direito, e sim o dever de participar da eleição. Tentar fazer com que o país não caísse nessa situação.

Eu acho engraçado às vezes algumas colocações que dizem o seguinte: se o Ciro tivesse ido para o segundo turno, ele ganharia. Primeiro que isso é coisa que talvez um vidente possa dizer.

Se Ciro não teve a força suficiente para ir ao segundo turno, quem nos garante que teria força para vencer

É um exercício de futurologia que só serve para criar argumentos para que o entendimento entre a esquerda não aconteça.

Como o senhor reage às críticas de que o PT tenta ser hegemônico no campo da esquerda?

Eu já tive a experiência inclusive de participar de governos do PT e de governos de outros partidos no campo da esquerda. Esse hegemonismo, vamos dizer, não é uma coisa que é propriedade única do PT. Quem já participou de governos do PC do B, do PDT, do PSB, sabem que eles procuram construir dentro desses governos, assim como o PT, uma presença muito sólida do seu partido.

Isso não me impede de dizer que o PT realmente já teve muitos momentos que ele poderia ter sido, digamos assim, mais aberto ao entendimento. Nós aprendemos também.

Já há sinais desse aprendizado?

Hoje, na Câmara mesmo, apesar de o PT ser a maior bancada no campo da oposição, nós temos a liderança da minoria com o PC do B, a liderança da oposição com o PSB, com todo nosso apoio. Estamos sendo liderados por eles. Estamos aprendendo. Um bom momento em que essa aprendizagem pode se manifestar será nas eleições do ano que vem.

Essa é uma tese que eu tenho defendido. Não que o PT se dilua e apoie candidaturas de outros partidos em todos os lugares, mas que ele possa ter a generosidade necessária para ser merecedor também do reconhecimento das outras forças políticas.

Essa generosidade também vale para os partidos de centro?

Tenho uma posição de defender que, para a eleição do ano que vem, devemos compor uma articulação política que envolva o PT, o PSB, o PC do B, o PDT e o PSOL. Não sei hoje como vai avançar a posição da Rede. Mas pelo menos com esses cinco partidos. Que esses cinco partidos adotem uma posição estratégica comum.

Todos nós termos um discurso político comum de derrotar a extrema-direita e o bolsonarismo

O importante é que os candidatos que estejam nessa disputa vocalizem essa posição e deem um tom nacional a essa disputa. E aí vamos discutir caso a caso o que vai acontecer concretamente.

No que diz respeito ao chamado centro, o que podemos ter é uma postura de dizer claramente que, em qualquer disputa onde esteja a extrema-direita e outras forças, poderemos apoiar outras forças. Especialmente no segundo turno.

Em 2022, vai acontecer a polarização direita x esquerda?

Eu acho que vai acontecer essa polarização. Não consigo ver no centro político uma postura firme que lhe dê um protagonismo para entrar nessa disputa. Ao contrário. Como esse chamado centro ou centro-direita tem uma agenda econômica igual à agenda que Bolsonaro está implementando, e essa agenda ainda vai produzir muita insatisfação social, certamente isso não é um fator que vai diferenciar o centro dessa extrema-direita que aí está.

E, mesmo nas questões relativas à defesa da democracia e defesa dos direitos fundamentais, a luta contra o autoritarismo, ainda é muito tímida a postura disso que se convencionou chamar de centro.

Em qual situação o PT poderá apoiar um candidato de centro ou centro-direita?

Se você tiver em uma cidade importante um disputa onde você tenha alguém do MDB com uma história interessante e, do outro lado, se tiver alguém da extrema-direita, eu sou defensor que nós não só peçamos o voto no segundo turno, mas que possamos também trabalhar para uma candidatura como essa. Aí outra discussão é se participa ou não de governo.

Autocrítica petista

O discurso de conciliação e união de forças tem ecos no PT?

Nós estamos sob ataque desde 2015. Já estávamos sob ataque, mas esse mais cerrado, que culminou com impeachment e com a proibição de Lula ser candidato, com a prisão dele e a verdadeira "satanização" do partido, nos obrigou a nos fecharmos em copas, darmos uma ordem unida à nossa tropa de resistir. Isso permitiu que o PT sobrevivesse e disputasse a eleição de 2018. Se considerarmos todo o massacre que o partido sofreu, nós chegamos perto.

Estamos ainda muito contaminados nesse momento por esse discurso e essa postura. Aos poucos, o partido vai saindo dessa posição e vai compreendendo, que nós não podemos continuar falando só para aquele terço da população que é a nossa base social.

Hoje temos praticamente um terço da sociedade que não está dando suporte nem apoio ao governo Bolsonaro e uma parte desse um terço já esteve conosco em alguns outros momentos. Votando nos nossos candidatos mesmo com uma posição crítica.

O PT agora precisa falar para o terço que ele tem, mas precisa falar para mais de 50% da sociedade.

Como o partido pretende recuperar sua base social?

Acho que há espaço hoje para reconstruir uma base social. Perdemos também muito apoio na classe média, mas acho muita coisa vai ser recuperada. Por exemplo, um dos segmentos que se envolveram fortemente com a retórica antipetista foi o funcionalismo público, que nos governos do PT foi profundamente respeitado. As carreiras foram implementadas e agora, Bolsonaro vai eliminá-las.

Por isso que eu digo que o nosso discurso tem que se dirigir para mais de 50% da sociedade que, inclusive, já votou no PT.

Como buscar um diálogo com outros perfis do eleitorado?

O PT teve um discurso fortemente aliancista, talvez mais do que deveria. Mas foi uma expressão de uma conjuntura, de um momento. Como eu disse, estamos saindo de um momento em que estávamos acuados, procurando nos defender, juntando o pouco de força que a gente tinha para poder formar uma força maior. Não quer dizer que nós saímos da linha de tiro. Nós continuamos nela. Mas isso já abre a possibilidade de uma outra visão.

Hoje, ainda não é muito fácil Lula chegar e chamar alguém do empresariado para trocar uma ideia. Mas daqui a pouco ele vai fazer isso, com toda certeza

É possível atrair o eleitorado bolsonarista?

Hoje não é uma tarefa muito fácil. As pesquisas de opinião demonstram que o núcleo duro do bolsonarismo corresponde a aproximadamente 12% do eleitorado. Não é pouca coisa. Não sei como estão agora as pesquisas de avaliação do governo, mas suponho que deva estar na faixa de 25% de aceitação, de bom e ótimo, o que é muita coisa. Mas a quantidade dos que já se decepcionaram é muito grande. Há espaço para se falar para essas pessoas.

Como fazer isso?

Temos que adequar nosso programa, nosso projeto, a nossa linguagem. Por isso, a presença de Lula fora da prisão é fundamental. Ele tem essa capacidade de análise, de síntese. Não que outros não tenham, mas ele tem também a capacidade de aglutinar pessoas que estão pensando. Acredito que vamos conseguir construir um discurso para reconquistar parte importante da sociedade.

Venezuela e Bolívia

Como o PT dialogará com o eleitorado que não é simpático a questões tradicionais da esquerda, como o apoio a Nicolás Maduro na Venezuela?

Nossa posição é a defesa do direito de autodeterminação do povo venezuelano. Não podemos aceitar as tentativas de interferência que os americanos tentam fazer buscando a parceria do Brasil. A situação lá tem que ser resolvida pelo diálogo e pelo entendimento.

Na Bolívia, pelo amor de Deus, o que aconteceu ali foi um golpe de estado típico. Evo Morales tentou equivocadamente ter mais um mandato. Acho foi um erro político dele. Mas ganhou a eleição de forma limpa. Há reconhecimento de institutos e pesquisas americanos que comprovam que não houve fraude. Fragilizado, ele aceitou que fosse feita uma auditoria por parte da OEA. No entanto, as forças que estavam lá radicalizadas não quiserem nenhum tipo de entendimento.

Não é um golpe um político quem quer se perpetuar no poder?

Isso é muito grave porque, dessa maneira, o golpe aberto, há muito tempo ele não acontecia na América Latina. Tivemos aí, por exemplo, impeachment e situações em que alguns presidentes foram obrigados a renunciar. Mas no caso, com uma intervenção e ameaça militar, isso não tinha acontecido. Essas coisas, a gente precisa explicar para a população.

Seria bom para a democracia brasileira ter um movimento parecido com o que ocorre no Chile?

Não, eu acho que o ideal é que nós evitemos isso. O ideal é que impeçamos que haja um aprofundamento tão brutal da desigualdade como está se avizinhando que termine levando as pessoas para o desespero. Ninguém quer que isso aconteça.

Nós queremos é que haja paz social. Agora, não pode ser a paz do cemitério

Não pode ser a paz que eu estou morrendo de fome ali e não vejo perspectiva para mim. Creio que, se essa política que está aí for implementada, podemos não ter uma convulsão social, mas vamos ter, sem dúvidas, uma população profundamente insatisfeita com sua condição de vida.

Seria possível inflamar as massas contra o governo Bolsonaro?

Fazer com que a população se organize e defenda seus direitos, isso é parte do processo democrático. Um dos movimentos que mais tiveram apoio nos últimos tempos foi a mobilização em que os estudantes, os professores, o pessoal da universidade se levantou contra os cortes na Educação. Se deu pacificamente com objetivos que terminaram obrigando, em parte, o governo a ceder naquilo que ele desejava.

Alguém no Brasil incentivou, incitou mais a violência do que Bolsonaro?

Bolsonaro defendeu torturadores. Bolsonaro apregoou o fechamento do Congresso Nacional. Bolsonaro apregoou o assassinato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Bolsonaro falou que se poderia matar 40 mil brasileiros, até que seria uma coisa boa. Já propôs fechar o Congresso. Já propôs fechar o Supremo. E Lula que é radical? Lula que está ameaçando a segurança nacional? Pelo amor de Deus.

Hoje, nos nossos dias, estamos vendo situações críticas, como o país apoiando no seu próprio território a ocupação de embaixadas de países que mantêm relação com o Brasil.

Prisão em 2ª instância

Como o sr. vê a movimentação no Parlamento para disciplinar o tema da prisão em segunda instância?

Eu não sei. Não boto muita fé nisso. A Constituição é muito clara quando estabelece algumas cláusulas pétreas, ou seja, são coisas que só podem ser mudadas numa Assembleia Nacional Constituinte.

Essa ideia foi dada pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

Graças a Deus com pouco respaldo, com pouco apoio. O Brasil não está vivendo uma situação de ruptura institucional. A convocação de uma Assembleia Constituinte só caberia se nós estivéssemos vivendo essa situação ou de eminência dela. Por exemplo, o que está acontecendo no Chile é algo que uma Assembleia Nacional Constituinte pode ajudar a resolver.

Mas não é o caso nosso. Todas as forças políticas, a exceção do presidente, defendem o respeito a esta Constituição que aí está. Não há como mexer. Isso seria uma espécie de fraude à Constituição.

Há PECs (Propostas de Emenda à Constituição) e projetos de lei que alteram o Código de Processo Penal.

Todas as duas procuram encontrar um atalho para negar a Constituição. Não vai haver, por parte do Supremo Tribunal Federal, uma acolhida a isso. As coisas que estão sido discutidas agora, que são mudanças do Código Penal, elas vão numa linha de mudar não a Constituição, mas a leitura do que é o trânsito em julgado. Tentar fazer com que o trânsito em julgado aconteça numa instância inferior ao Supremo Tribunal Federal ou eliminar recursos, possíveis recursos.

É possível a Justiça ser um pouco mais ágil. Mas eu acho ruim que esta discussão seja feita de uma maneira quase que personalizada. Eu acredito que não há tanta acolhida no Congresso Nacional para estas expectativas.

Davi Alcolumbre foi irresponsável ao sugerir a possibilidade de uma nova Constituinte?

Não vejo como irresponsabilidade. Ele falou em tese, no geral, para se contrapor a esta visão de tantas mudanças constitucionais. A Constituição brasileira já teve mais de cem emendas constitucionais. Se for uma posição que ele continuar a defender, eu diria a você que vou ficar surpreso porque tenho visto nele uma sensatez importante. Não creio que ele vá dar seguimento a isso.

Assista à entrevista completa abaixo

*Colaborou Guilherme Mazieiro, do UOL, em Brasília

Política