PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que esquerda não merece ser tratada como "pessoas normais"

Do UOL, em São Paulo

16/01/2020 18h27

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) atacou a esquerda, hoje, durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília, sobre mudança no comando da Operação Acolhida, de apoio a imigrantes venezuelanos. Bolsonaro afirmou que os esquerdistas "não merecem ser tratados como se fossem pessoas normais".

"Temos outro país aqui no Brasil. Quis o povo me eleger para governar aqueles que no passado colocaram o país na dificuldade que se encontra. Não adianta ter raiva, culpar os outros, achar que sem cada um fazer sua parte vai garantir dias melhores. Peço a Deus que continue abençoando o nosso Brasil, abra a mente de quem está do lado da esquerda. Essa maldita esquerda que não deu certo em lugar nenhum e que quer que ela volte ao poder. Agradeço a Deus pelo milagre da eleição", disse.

"Não dê chance para essa esquerda. Eles não merecem ser tratados como se fossem pessoas normais, como se quisessem o bem do Brasil, isso é mentira. Não podemos em 2022 chegar na situação que chegou a Argentina no corrente ano ou como está o Chile, que está caminhando para o caos, o socialismo", acrescentou, se referindo ao novo presidente argentino, Alberto Fernández, que venceu o então presidente Mauricio Macri na eleição do ano passado.

Bolsonaro chamou um garoto venezuelano para ficar ao lado dele durante o discurso. O presidente criticou a situação da Venezuela sob o comando de Hugo Chávez e Nicolás Maduro.

"Ao meu lado, uma garotada que poderia ser nossos filhos e netos. Em um momento de reflexão, como pode um país rico como a Venezuela em petróleo, ouro e outros bens, de repente mergulhar na miséria? Os números de hoje comprovam. O salário mínimo é de R$ 15. Como mergulha em uma situação como essa? Vem do populismo, conversa fácil de dirigentes que fazem o trabalho junto aos pobres e humildes para atingir os objetivos", declarou.

"Não podemos deixar que nossos filhos cheguem na situação da garotada que está do nosso lado, que esses bandidos retornem ao poder. Agradeço a Deus pela vida e pela missão de conduzir o destino do nosso Brasil, mas essa responsabilidade é de cada um de vocês. Não tenho forças para que um homem só mude o destino do Brasil", afirmou Bolsonaro.

O presidente ainda atacou Fernando Haddad (PT), que foi derrotado por Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2018. "Se o Haddad estivesse aqui, vocês (venezuelanos) não estariam aqui. Ele estaria lá com o Maduro. Então, o que mais temos de sagrado, que é nossa liberdade, a democracia, temos que zelar e lutar por ela todos os dias. Caso contrário, podemos entrar na situação da Venezuela."

Política