PUBLICIDADE
Topo

Covid-19: Gilmar Mendes apoia o 'paga logo' e cobra governo sobre os R$ 600

19.jun.2019 - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concede entrevista ao UOL - Kleyton Amorim/UOL
19.jun.2019 - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, concede entrevista ao UOL Imagem: Kleyton Amorim/UOL

Do UOL, em São Paulo

31/03/2020 21h43

O Ministro do STF, Gilmar Mendes, cobrou o governo brasileiro para pagar o auxílio de R$ 600 que prometeu para trabalhadores informais. GImar ainda usou a #PagaLogo para demonstrar sua insatisfação.

"Não adianta tentar colocar a culpa na Constituição Federal: as suas salvaguardas fiscais não são obstáculo, mas ferramenta de superação desta crise. O momento exige grandeza para se buscar soluções de uma Administração Pública integrada e livre do sectarismo. #PagaLogo", escreveu o ministro.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou hoje o prazo estipulado pelo governo federal para que o auxílio emergencial de R$ 600, aprovado ontem no Senado, comece a ser pago aos trabalhadores informais, incluindo autônomos e em contrato intermitente.

"Se é um apoio emergencial, 16 de abril não me parece tão emergencial", disse Maia em coletiva de imprensa. "Acho que o governo tem toda condição, em um trabalho de mutirão, que se consiga organizar o pagamento antes de 16 de abril. Não me parece que aguardar até lá é a melhor solução", completou.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou hoje que o governo ainda não sabe quais serão as fontes de recursos que custearão o pagamento do auxílio emergencial.

Ele também pediu ajuda do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, para aprovar uma proposta que define de onde sairá o dinheiro e rebateu críticas de que o governo demora para iniciar os pagamentos.

Política