PUBLICIDADE
Topo

Doria amplia Vivaleite e critica Bolsonaro por ataque a governadores

Do UOL, em São Paulo

01/04/2020 12h50Atualizada em 01/04/2020 16h30

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou na tarde de hoje a ampliação do programa Vivaleite durante a pandemia do coronavírus.

Do dia 6 de abril ao dia 6 de junho, cerca de 21 mil idosos espalhados em asilos do estado vão receber leite gratuitamente por meio do projeto.

De acordo com Doria, serão distribuídos 15 mil litros de leite enriquecidos com ferro e vitaminas por mês, além de uma suplementação alimentar proteica - esta, adquirida pelo governo estadual através de doação.

Doria afirmou que ainda não há previsão para prorrogar a quarentena no estado, vigente até o dia 7 de abril. Uma decisão sobre o tema será tomada até a véspera da data limite, ou seja, na próxima segunda-feira (6).

Alfinetada em Bolsonaro

Durante o anúncio, Doria aproveitou para criticar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O governador criticou Bolsonaro pelo fato de ele ter republicado um vídeo hoje no Twitter com críticas aos prefeitos e governadores que defendem o isolamento social durante a pandemia de coronavírus. Depois, apagou o conteúdo.

"Em qual presidente da república nós devemos confiar? Naquele que ontem fez uma mensagem ponderada em seu pronunciamento ou no que em menos de 12 horas faz uma agressão de postagem aos governadores? É preciso de coerência. Seja moderado e faça aquilo que o senhor fez ontem em rede nacional", disse Doria.

"Não caia na tentação de seguir a orientação daqueles que, do seu gabinete do ódio, propõem o combate com governadores, jornalistas, judiciário ou qualquer outro que se oponha ou que formule criticas ao senhor. Prefiro levar em consideração a a sua manifestação de ontem e desconsiderar a de hoje".

O governador ainda fez uma alusão a outro pronunciamento de Bolsonaro, feito no dia 24, em que o presidente falou que, se fosse infectado, "não precisaria" se preocupar devido ao seu "histórico de atleta".

"O coronavírus não escolhe rico ou pobre. Não escolhe atleta ou sedentário. Militar ou civil. A pandemia infelizmente atinge a todos e nós precisamos estar unidos. Não é uma questão política, eleitoral ou partidária. É uma questão humanitária", afirmou Doria.

Ainda em relação ao vídeo, que mostrava um homem flagrando um suposto desabastecimento no Ceasa de Belo Horizonte, Doria cravou que não há previsão para que supermercados de São Paulo fiquem sem produtos.

Coronavírus