PUBLICIDADE
Topo

Governo republica exoneração de chefe da PF sem assinatura de Sergio Moro

Presidente Jair Bolsonaro e o agora ex-ministro Sergio Moro: trocaram acusações ao longo da sexta-feira (24) - Mateus Bonomi/AGIF
Presidente Jair Bolsonaro e o agora ex-ministro Sergio Moro: trocaram acusações ao longo da sexta-feira (24) Imagem: Mateus Bonomi/AGIF

Do UOL, em São Paulo

24/04/2020 19h16

Depois de Sergio Moro dizer que não assinou a exoneração de Maurício Valeixo do comando da Polícia Federal, o governo republicou o ato do presidente Jair Bolsonaro sem a assinatura do agora ex-ministro da Justiça. A primeira versão trazia a assinatura eletrônica de Moro.

Na nova versão, publicada em edição extra do Diário Oficial da União, aparecem as assinaturas de Walter Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil, e de Jorge Oliveira, ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência.

Apesar disso, o governo manteve a exoneração "a pedido" de Valeixo. Moro havia afirmado que "em momento nenhum" o então diretor-geral da PF apresentou um pedido formal para deixar o cargo.

Reprodução
Imagem: Reprodução

A edição extra também trouxe a exoneração de Sergio Moro do cargo de ministro da Justiça.

Moro saiu "atirando" do governo

O ex-juiz Sergio Moro declarou que Bolsonaro trocou o comando da PF para ter acesso a investigações e relatórios da entidade, o que é proibido pela legislação.

Em um pronunciamento forte (leia a íntegra), Moro procurou se distanciar de Bolsonaro e marcar posição. Disse que a mudança como foi feita é uma interferência política do presidente na PF e que o mandatário teme inquéritos que estão sendo avaliados pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

O ex-juiz federal era o principal nome do governo Bolsonaro. Tinha popularidade, segundo o Datafolha, mais alta que a do presidente. As taxas giram acima dos 50% de aprovação, enquanto a do presidente patina abaixo dos 40%.

A saída de Moro já provoca rachas em bancadas fiéis ao bolsonarismo, como a da segurança pública (também conhecida como "da bala"). As acusações feitas pelo ministro podem encaminhar processos no Congresso e no STF —como as sobre interferência política na PF e uma possível falsidade ideológica por constar o nome do ex-ministro na exoneração de Valeixo, que Moro nega ter assinado.

Bolsonaro contra-atacou Moro

Em pronunciamento no fim da tarde no Planalto, o presidente Jair Bolsonaro disse que Sergio Moro só pensa no próprio ego e não se importa com o bem dos brasileiros e do país. Negou ainda que tenha intenção de fazer qualquer interferência política na PF (Polícia Federal) ou que quisesse ter acesso a investigações sigilosas. As declarações foram dadas horas depois da demissão do ministro da Justiça e da Segurança Pública e da exoneração do diretor-geral da PF, Maurício Leite Valeixo.

Durante o discurso, Bolsonaro se queixou da lentidão da PF, sob comando de Valeixo e de Moro, na apuração do inquérito sobre a facada sofrida pelo então candidato à presidência na campanha eleitoral de 2018.

Moro respondeu no Twitter

O ex-ministro usou sua conta oficial no Twitter para dizer que não pediu indicação ao STF e nem para que a exoneração de Valeixo do comando da PF acontecesse apenas quando Moro estivesse no Supremo.

"A permanência do Diretor Geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, nunca foi utilizada como moeda de troca para minha nomeação para o STF. Aliás, se fosse esse o meu objetivo, teria concordado ontem com a substituição do Diretor Geral da PF", disse Moro.

Moro ainda confirmou que Valeixo estava, sim, cansado do ambiente político em seu cargo, mas que não pediu demissão. O ex-ministro declarou, novamente, que o decreto da exoneração não lhe foi informado.

Política