PUBLICIDADE
Topo

Política

Zambelli disse que PF investigava governadores um dia antes de ação no RJ

Do UOL, em São Paulo

26/05/2020 08h48Atualizada em 26/05/2020 13h53

A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) disse ontem que alguns governadores estão sendo investigados pela Polícia Federal. A declaração ocorreu um dia antes de a Polícia Federal cumprir mandados de busca e apreensão no Palácio das Laranjeiras, a residência oficial do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC).

"A gente já teve algumas operações da Polícia Federal que estavam ali, na agulha, para sair, mas não saíam. E a gente deve ter nos próximos meses o que gente vai chamar talvez de covidão, ou de...Não sei qual vai ser o nome que eles vão dar, mas já tem alguns governadores sendo investigados pela Polícia Federal", declarou a parlamentar ao programa Timeline, da Rádio Gaúcha.

A deputada, que é aliada de primeira hora do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), comentava a saída de Sergio Moro do ministério da Justiça e Segurança Pública.

O ex-juiz acusa o presidente de interferir na Polícia Federal, o que ele nega. O caso está sob a relatoria do ministro Celso de Mello no STF (Supremo Tribunal Federal).

No Twitter, Carla negou ter informações privilegiadas. "Se eu tivesse informações privilegiadas e relações promíscuas com a PF, a operação de hoje seria chamada de 'Estrume" e não 'Placebo'", escreveu ela em referência ao xingamento usado por Bolsonaro na reunião ministerial para se referir a Witzel.

A fala foi uma resposta a comentário da deputada Taliria Petrone (PSOL-RJ) sobre a entrevista. "A deputada federal Carla Zambelli saber antecipadamente de operações da Polícia Federal "contra governadores" é grave. Como a deputada sabe? E por que ela sabe? As relações da cúpula do governo Bolsonaro e a PF estão cada vez mais promíscuas e precisam ser explicadas."

Questionada pelo assunto, a Polícia Federal informou que não comenta declarações de parlamentares.

Em conversa com apoiadores na portaria do Palácio da Alvorada nesta manhã, Bolsonaro foi questionado se Carla sabia sobre a operação. "Pergunta para ela", respondeu. Ele ainda parabenizou o trabalho da PF.

Operação Placebo

A operação deflagrada hoje investiga indícios de desvios de recursos públicos destinados ao atendimento do estado de emergência de saúde pública em decorrência do coronavírus.

Além da residência oficial, também são cumpridas ordens judiciais no escritório de advocacia onde atua a esposa de Witzel e no bairro do Grajaú, onde o governador do Rio tem residência pessoal.

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) autorizou 12 mandados de busca e apreensão. Desses dez são cumpridos no Rio de Janeiro e dois em São Paulo.

Segundo a PF, investigações apontam para a existência de um esquema de corrupção envolvendo uma organização social contratada para a instalação de hospitais de campanha e servidores da cúpula da gestão do sistema de saúde do estado do Rio de Janeiro.

As investigações têm como base provas obtidas pela Polícia Civil, Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal. Esses elementos foram compartilhados com a PGR (Procuradoria Geral da República).

Em nota, Witzel disse não haver "absolutamente nenhuma participação ou autoria minha em nenhum tipo de irregularidade nas questões que envolvem as denúncias apresentadas". Sem citar nomes, o governador apontou vazamento da operação por deputados bolsonaristas e disse que isso oficializa interferência de Bolsonaro.

Política