PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

PM fechará vias e fará revistas em domingo com atos pró e contra Bolsonaro

Manifestação contra o governo Jair Bolsonaro realizada em Brasília, em 7 de junho - Matheus W Alves/Estadão Conteúdo
Manifestação contra o governo Jair Bolsonaro realizada em Brasília, em 7 de junho Imagem: Matheus W Alves/Estadão Conteúdo

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

20/06/2020 16h41

A Polícia Militar do Distrito Federal realizará amanhã (21) um amplo esquema de segurança com fechamento de vias e barreiras de revista devido a protestos favoráveis e contrários ao governo convocados para a Esplanada dos Ministérios, na região central do Plano Piloto.

O principal objetivo da corporação é evitar que manifestantes rivais se encontrem e acabem se confrontando. Cada grupo terá um trajeto predefinido a percorrer.

Há expectativa de que o ato contrário ao governo de Jair Bolsonaro (sem partido) seja maior em razão da participação de torcidas organizadas de clubes de futebol. Na primeira mobilização desse tipo, que ocorreu em São Paulo, no fim de maio, houve tumulto e confronto com policiais ao fim da passeata.

Para esse grupo, a PM do DF determinou o Teatro Nacional como ponto de concentração. Sob escola, os adeptos deverão caminhar até o Ministério da Justiça e retornar pelo mesmo sentido da via. Já os apoiadores do governo estarão do outro lado da Esplanada, com concentração no Museu da República e caminhada até o Ministério da Saúde.

Serão fixadas barreiras para revista nas vias S1 e N1. A PM recomenda que os manifestantes não levem mochilas para o ato, a fim de evitar atraso no evento em razão da revista pessoal na linha de abordagem. O acesso à pista pelas escadarias norte e sul estarão fechados.

Segundo a corporação, não serão permitidos garrafas de vidro, palitos de churrasco, madeiras, canos e canivetes.

Fogos de artifício também podem ser confiscados, sobretudo para evitar que se repita cenas como o que ocorreu há cinco dias. Na ocasião, apoiadores de Bolsonaro simularam um ataque ao STF (Supremo Tribunal Federal) lançando fogos de artifício em direção ao prédio da Corte, na praça dos Três Poderes.

Política