PUBLICIDADE
Topo

Doria defende primeira-dama e vê 'maldade' em vídeo sobre moradores de rua

Do UOL, em São Paulo

06/07/2020 13h48

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), defendeu hoje a primeira-dama do estado, Bia Doria, das críticas recebidas após um vídeo divulgado na última semana. No registro, ao lado da socialite Val Marchiori, a mulher de Doria diz não ser "correto" ajudar moradores em situação de rua, "porque a pessoa tem que se conscientizar que ela tem que sair da rua, porque a rua hoje é um atrativo".

"O vídeo foi editado, e evidentemente feito com enorme maldade, sem a menção do que antecedeu o vídeo, onde a Bia Doria, primeira-dama do estado de SP e presidente do conselho do Fundo Social (de SP) dizia que o ideal era o acolhimento das pessoas em situação de rua. Que as pessoas em situação de rua em São Paulo pudessem estar acolhidas em centros específicos para isso — como, durante a Prefeitura (2017 a 2018), eu procurei fazer, e como tem feito o (atual prefeito da capital) Bruno Covas (PSDB) na medida do possível. E que, ali sim, pudessem ser oferecidos não apenas alimentos, com também guarida, a cama, o cobertor, o banho, e condições de assistência básica de saúde", disse Doria.

Em entrevista coletiva, o governador paulista citou o trabalho dos CTAs (Centros Temporários de Acolhimento), criados pela Prefeitura de São Paulo em 2017. Segundo ele, são 19 hoje na cidade, sendo que 10 contam também com área de acolhimento para cães.

"Isso foi omitido naquela edição do vídeo, o que gerou uma edição parcial — e, evidentemente, naquela parcialidade, com críticas à Bia Doria. Mas ela vem cumprindo bem o seu papel (...) de proteção e de atendimento a todas as pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza, e, em especial, às pessoas em situação de rua", acrescentou.

João Doria ainda agradeceu manifestações de apoio, e encerrou o assunto com uma crítica à imprensa.

"Lamento muito que até bons jornalistas, bons veículos de comunicação não tenham se informado melhor sobre o contexto da gravação como um todo", completou.

Política