PUBLICIDADE
Topo

Prefeito de São Vicente (SP) briga com vizinho e alega legítima defesa

Rafaella Martinez

Colaboração para o UOL, em São Vicente (SP)

14/07/2020 11h10Atualizada em 14/07/2020 17h20

Um morador de São Vicente acusa o prefeito da cidade, Pedro Gouvêa (MDB), de agredi-lo após uma discussão no prédio onde ambos moram, no bairro Boa Vista. O político diz que o morador ameaçou a ele e sua mulher, a pedagoga Mariana Menezes, e alega ter agido em "legítima defesa".

Gouvêa divulgou que ele registrou boletim de ocorrência na delegacia sede de São Vicente. O morador, um comerciante que não teve a identidade revelada, explicou que foi reclamar dos barulhos constantes vindos do apartamento do prefeito. O prefeito informou à polícia que o vizinho estava "aparentemente embriagado", tocou a campainha e passou a reclamar de barulhos na noite anterior e em outras situações.

O emedebista explica que estaria tentando resolver a situação, pedindo para o homem retornar em outro momento. Neste momento, a primeira-dama de São Vicente passou a filmar o fato, o que teria descontrolado o vizinho, segundo Gouvêa.

O prefeito acusa o comerciante de ter apertado o braço da pedagoga, com o objetivo de pausar a gravação. A partir desse momento, a briga teria começado. Gouvêa afirma que agiu em legítima defesa, uma vez que o homem agrediu sua mulher e invadiu seu imóvel. A briga foi apartada pelo porteiro do prédio e mais dois moradores, que desceram com o comerciante até a chegada da Polícia Militar.

"Ele invadiu o meu apartamento, eu empurrei e acabamos entrando em vias de fato para proteger a minha casa, minha esposa e também me proteger. Me defendi, imobilizei ele e a Mari ligou para o porteiro e chamou a polícia. Temos tudo gravado", disse Gouvêa, em transmissão feita ontem em suas redes sociais.

O prefeito levantou a suspeito de uso político do caso e criticou o vizinho. "Em ano de eleição a gente sabe que sempre as pessoas têm segunda intenção. Ele começa com segunda intenção mandando isso para imprensa", explicou. Ele também acusou o morador. "Quebrou a película do celular dela e ficou uma marca no braço dela. Foi um animal. Fizemos um boletim de ocorrência, estamos respaldados", disse.

O morador que reclamou do político foi encaminhado ao Hospital Municipal e nega ter entrado no apartamento ou torcido o braço da primeira-dama. A defesa do comerciante afirma que será feita uma representação criminal e que o cliente irá ingressar com uma ação por danos morais.

Política