PUBLICIDADE
Topo

Política

Rodrigo Maia critica visita de Secretário de Estado dos EUA ao Brasil

Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que vinda do secretário "não condiz com boa prática diplomática" - Adriano Machado
Presidente da Câmara, Rodrigo Maia afirmou que vinda do secretário 'não condiz com boa prática diplomática' Imagem: Adriano Machado

Colaboração para o UOL, em São Paulo

18/09/2020 18h28

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, criticou a visita do Secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, em Boa Vista, Roraima, na tarde de hoje. De acordo com Maia, a visita do secretário "não condiz com boa prática diplomática internacional".

"A visita do Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, nesta sexta-feira, às instalações da Operação Acolhida, em Roraima, junto à fronteira com a Venezuela, no momento em que faltam apenas 46 dias para a eleição presidencial norte-americana, não condiz com a boa prática diplomática internacional e afronta as tradições de autonomia e altivez de nossas políticas externa e de defesa", disse o deputado em comunicado.

"Como Presidente da Câmara dos Deputados, vejo-me na obrigação de reiterar o disposto no Artigo 4º da Constituição Federal, em que são listados os princípios pelos quais o Brasil deve orientar suas relações internacionais. Em especial, cumpre ressaltar os princípios da: (I) independência nacional; (III) autodeterminação dos povos; (IV) não-intervenção; e (V) defesa da paz."

Em nota, o deputado ainda citou o patrono da diplomacia brasileira, Barão do Rio Branco, afirmando que ele deixou um legado de "estabilidade em nossas fronteiras e de convívio pacífico e respeitoso com nossos vizinhos na América do Sul" e que esta herança "deve ser preservada com zelo e atenção, uma vez que constitui um dos pilares da soberania nacional e verdadeiro esteio de nossa política de defesa."

Brasil e Estados Unidos estão entre os países que reconhecem líder de oposição Juan Guaidó como presidente legítimo da Venezuela e não o Nicolás Maduro.

Dezenas de milhares de venezuelanos cruzaram a fronteira do Estado brasileiro de Roraima nos últimos anos, fugindo da turbulência econômica e política em seu país. A economia da Venezuela tem estado em declínio e há ondas periódicas de protestos contra o governo Maduro.

O governo de Roraima declarou o fluxo de imigração como uma crise social e pediu ao governo federal do Brasil para fechar a fronteira, o que não ocorreu por razões humanitárias.

*Com informações da Reuters

Política