PUBLICIDADE
Topo

Política

Jornal: Secom anunciou mais que divulgado em canais suspeitos de fake news

Canal do blogueiro Allan dos Santos foi um dos que recebeu publicidade da Secom, segundo o jornal - Reprodução/Youtube
Canal do blogueiro Allan dos Santos foi um dos que recebeu publicidade da Secom, segundo o jornal Imagem: Reprodução/Youtube

Do UOL, em São Paulo

25/10/2020 10h21

A quantidade de anúncios pagos pela Secom (Secretaria de Comunicação Social) em canais de blogueiros e políticos investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) nos inquéritos das fake news ou dos atos antidemocráticos é maior do que a informada antes pela secretaria do governo, de acordo com relatório da CGU (Controladoria Geral da União) obtido pelo jornal "O Globo".

O volume de impressões, unidade de medida da publicidade digital, como banners e outros anúncios, é até onze vezes maior do que a Secom havia informado em abril, segundo a reportagem.

No canal do blogueiro Allan dos Santos foram encontradas 8.714 impressões a mais do que em abril, quando tinham sido reportadas 1.447. Na página do blogueiro Bernardo Pires Kuster foram 1.498 a mais, contra 135 informadas anteriormente.

Canais de investigados pelo STF que não haviam sido citados antes também aparecem no relatório, como Giro de Notícias (23.271 impressões), Folha Política (1.594) e Ravox (3.318).

Os dados são referentes ao período entre 1º de janeiro e 10 de novembro de 2019, referentes a anúncios pagos pela Secom via Google Ads, sistema de distribuição de publicidade do Google.

A Secom afirmou, por meio de nota ao jornal, que o pedido analisado pela CGU foi "integralmente atendido" e que o Google é responsável pela distribuição dos anúncios. A empresa, porém, afirma que oferece controles e filtros para que os clientes definam o destino da publicidade.

Política