PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

Fake news, racismo e conspiração encontram terreno fértil entre eleitores latinos da Flórida

Muitas dessas teorias da conspiração favorecem o presidente Trump - RACHEL WISNIEWSKI/REUTERS
Muitas dessas teorias da conspiração favorecem o presidente Trump Imagem: RACHEL WISNIEWSKI/REUTERS

23/10/2020 14h17

"Fraude no voto pelo correio", "fraude por carteira de identidade falsa", "Joe Biden membro de quadrilha de pedofilia", são alguns dos exemplos de teorias conspiratórias que circulam nas redes sociais em plena campanha eleitoral nos Estados Unidos.

Os latinos na Flórida não são exceção. A influenciadora Liliana Rodríguez Morillo é um exemplo. Filha do cantor José Luis "El Puma" Rodríguez e devota de Donald Trump, esta venezuelana em Miami reproduziu em seu Instagram uma foto de carteiras de habilitação falsas, confiscadas no início deste ano em Chicago. "Todos registrados para votar nos democratas!", escreveu ela a seus 485.000 seguidores.

Pesquisadores e investigadores, incluindo o PolitiFact, negaram a alegação de que cerca de 20.000 carteiras de motorista - que foram confiscadas - estivessem vinculadas aos democratas.

"Existem várias campanhas de desinformação, tanto do lado democrata quanto do republicano", disse à RFI Lizette Escobedo, diretora de engajamento cívico do Fundo Educacional NALEO, uma ONG apartidária que promove a participação política dos latinos. "Certas teorias estão afetando a participação dos latinos, porque às vezes eles temem que seu voto não conte ou que sua cédula pelo correio não chegue. Estamos vendo um tipo de desinformação e desinformação em todo o espectro das mídias sociais. "

No mês passado, os deputados Debbie Mucarsel-Powell e Joaquín Castro pediram ao FBI que investigasse o aumento de fakenews dirigidas aos latinos no sul da Flórida e "considerasse os esforços de atores estrangeiros" a esse respeito. Os hispânicos da Flórida representam 17% de um eleitorado de 14 milhões de eleitores dominado por exilados cubanos.

Latinos não confiam no processo eleitoral

"Os latinos, em sua maioria, não confiam muito no processo eleitoral", diz Escobedo. "Quando juntamos isso com informações incorretas, com todo o barulho da internet, temos a receita ideal para o caos. Devido à pandemia de Covid-19, observamos que muitas famílias encontram notícias no espaço digital, em diferentes sites da internet e, às vezes, compartilham ou veem informações que não se baseiam em dados verificados.

Muitas dessas teorias da conspiração favorecem o presidente Trump, que disputa voto a voto com o democrata Joe Biden na Flórida, um estado crucial nas eleições de 3 de novembro.

Escobedo afirma que os latinos são particularmente vulneráveis — a desinformação porque definem sua posição em relação ao sistema político norte-americano "com base nos sistemas políticos que possuem em seu país de origem". E a América Latina tem uma longa história de governos autoritários, tanto à direita quanto à esquerda, muitas vezes sustentados por eleições que são sinalizadas como fraudulentas.

Mas esta é a ponta do iceberg. A desinformação também visa os Bidens, a comunidade judaica e os afro-americanos.

Eleições Americanas