PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
11 meses

Alexandre Frota faz pedido de cassação de Flávio Bolsonaro ao Senado

Frota conversa com Jair Bolsonaro quando ainda era um aliado do presidente, no início de 2019 - Michel Jesus/ Câmara dos Deputados
Frota conversa com Jair Bolsonaro quando ainda era um aliado do presidente, no início de 2019 Imagem: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados

Do UOL, em São Paulo

04/01/2021 18h09Atualizada em 04/01/2021 20h42

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) fez um pedido de instauração de processo disciplinar contra o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). No ofício endereçado ao Senado, o ex-bolsonarista Frota alega que Flávio é investigado pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) e pede que o senador perca o mandato caso sejam confirmados os crimes dos quais ele é suspeito.

Frota ainda cita que o senador "vem buscando interferir nas investigações" e que pode ter cometido também crime de tráfico de influência.

No início de novembro, o senador foi denunciado pelo MP-RJ por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. As denúncias foram oferecidas como resultado da investigação do chamado Caso Queiroz, nome pelo qual ficou mais conhecido o processo que apura suposto crime de "rachadinha" no antigo gabinete de Flávio como deputado estadual na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).

Flávio Bolsonaro e o seu ex-assessor Fabrício Queiroz são acusados de comandarem um suposto esquema de repasses ilegais de salários de funcionários do gabinete do filho do presidente da República. A suspeita se somou em dezembro a um outro caso envolvendo o senador, em que ele teria obtido ajuda da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) para se defender no processo das "rachadinhas".

A revista Época revelou que a Abin produziu pelo menos dois relatórios para ajudar a defender Flávio no Caso Queiroz. O próprio senador confirmou os relatórios, mas o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) negou a existência dos documentos. Em relação ao esquema de "rachadinha", Flávio alega ser inocente.

Antigo aliado da família Bolsonaro, Frota protocolou o ofício destinado a Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, mas o documento já foi repassado ao Conselho de Ética da Casa, que é presidido pelo senador Jayme Campos (DEM-MT).

Segundo a assessoria de Campos, o presidente do Conselho pediu para a advocacia do Senado a análise do ofício, assim como já tinha feito com outro processo que pede a cassação de Flávio Bolsonaro, este protocolado ainda em fevereiro pelos partidos de oposição PT, PSOL e Rede Sustentabilidade.

O pedido anterior feito pelos partidos de oposição ao governo Bolsonaro teve um aditamento em dezembro, que já atualiza o documento com a suspeita de ajuda da Abin ao senador.

Política