PUBLICIDADE
Topo

Governo Bolsonaro

CNT/MDA: Avaliação negativa do governo Bolsonaro sobe a 35,5%

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) - Alexandre Neto/Photopress/Estadão Conteúdo
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) Imagem: Alexandre Neto/Photopress/Estadão Conteúdo

Natália Lázaro

Colaboração para o UOL, em Brasília

22/02/2021 11h05Atualizada em 22/02/2021 14h14

A avaliação negativa do governo Jair Bolsonaro (sem partido) subiu mais de 8 pontos percentuais em quatro meses e atingiu 35,5%, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada hoje. Já a positiva caiu quase nove pontos, chegando a 32,9%.

Segundo o instituto de pesquisas MDA, cujo estudo foi contratado pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes), foram realizadas 2.002 entrevistas presenciais, de 18 a 20 de fevereiro, em 137 municípios de 25 Unidades da Federação. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

A avaliação positiva considera os índices de "ótimo" e "bom". Já a avaliação negativa, as somas de "ruim" e "péssimo". Veja os números:

O levantamento mostra os índices de popularidade do governo e também do próprio presidente. Traz ainda a avaliação dos brasileiros sobre a atuação dos governos federal e estaduais no enfrentamento à pandemia do novo coronavírus, a opinião sobre a vacinação contra a covid-19, além de outros temas como o retorno do auxílio emergencial e o decreto sobre compra e posse de armas de fogo.

Avaliação negativa sobre Bolsonaro também sobe

A avaliação do governo Bolsonaro é diferente da avaliação pessoal de Jair Bolsonaro. Essa última analisa apenas o desempenho do presidente, e não do governo como um todo.

Na pesquisa divulgada hoje, 43,5% aprovam o desempenho pessoal do presidente, uma queda de 8,5 pontos percentuais em relação a outubro de 2020. Outros 51,4% desaprovam o presidente, índice que cresceu mais de 8 pontos em quatro meses.

Avaliação pessoal de Bolsonaro:

  • Aprovação: de 52% em outubro/2020 para 43,5% em fevereiro/2021
  • Reprovação: de 43,2% para 51,4%
  • Não souberam opinar ou não responderam: de 4,8% para 5,1%

Pandemia e vacina

Em relação à pandemia do novo coronavírus, também houve queda na aceitação das medidas do Executivo, com 54,3% da população concordando com as ações do governo, contra a aprovação de 57,1% em outubro de 2020. Apesar da queda, há um aumento na positividade dos brasileiros em relação a maio do ano passado, quando foi registrado 51,7% de aprovação.

Já sobre as iniciativas do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, 34,2% consideram as atitudes como "irregulares" e somente 4,9% analisam como "ótimas".

Na luta pela vacina contra a covid-19, 62,8% dos brasileiros disseram que vão se vacinar independente do fabricante, enquanto 16,7% da população afirmou que não vai se vacinar.

A CoronaVac, produzida pelo instituto Butantan teve maior aceitação entre os entrevistados: 9,5% disseram que só vão se vacinar se for por meio desta imunização, enquanto 3,8% alegaram que só irão tomar a Astrazeneca/Oxford, da Fiocruz.

Economia e auxílio emergencial

Apesar da falta de aceitação das medidas contra a covid-19 pelo governo federal, a população brasileira acredita que no ano que vem a economia já vai estar reestabelecida no Brasil. Entre os entrevistados, 36,8% disseram que o setor será retomado em 2022, enquanto 34,5% acreditam que a situação só vai se ajeitar a partir de 2023. Para 10,5% a economia será reequilibrada no segundo semestre de 2021, e apenas 5% não acreditam que há chances de recuperação econômica.

Enquanto isso, houve queda na positividade dos brasileiros em relação aos empregos, caindo em 7,9% em relação a outubro do ano passado. Ainda, também teve aumento de 10% população que acredita que o desemprego vai piorar, registrando 40% da taxa este ano e 30% na última pesquisa. Parte dos entrevistados avaliam que o setor vai ficar igual, com 30,3% que fizeram a alegação, equilibrando com os 31,1% dos escutados ano passado.

Ainda sob perspectiva da crise financeira no Brasil, 22,1% dos entrevistados tiveram que pedir dinheiro no ano passado e este ano por conta da pandemia, enquanto 53,8% estimam que vão enfrentar dificuldades econômicas ao longo do ano. Em impasse no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto, 70,2% da população acredita que o auxílio emergencial deve ser retomado com o mesmo valor em 2021, enquanto 16,6% consideram que deve retornar, mas com valores mais baixos. Apenas 12,2% são contrários a medida.

Apesar da crise dos cofres públicos e no bolso da população, 44,5% acreditam que situação está pior do esperado, enquanto 43,5% sente que está como o esperado, equilibrando as taxas comparativas.

Volta às aulas

Entre os entrevistados, 36% possuem filho em idade escolar, mas 71,8% ainda não se sentem seguros em enviar as crianças e adolescente para a escola presencialmente. Sobre o transporte público, 75,2% ainda evitam usar ônibus e metrô por insegurança às medidas de proteção.

Decreto de armas

Entre as prioridades estabelecidas pelo Congresso Nacional e Palácio do Planalto está o decreto de flexibilização do porte e posse de armas de fogos. Porém, entre os entrevistados, 68,2% disseram serem contra as alterações na legislação facilitando o acesso as munições no Brasil. Ainda, 74,2% não tem interesse em ter armas e somente 19,7% gostaria do acesso. Somente 1,6% tem pedido de posse em análise.

Governo Bolsonaro