PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Felipe Neto é apoiado por políticos após intimação por criticar Bolsonaro

Reprodução/ Instagram
Imagem: Reprodução/ Instagram

Do UOL, em São Paulo

15/03/2021 19h07

Uma série de políticos saíram em defesa do youtuber Felipe Neto após ele ter sido intimado para prestar esclarecimentos por chamar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de "genocida".

O ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha (PT), a deputada estadual Luciana Genro (PSOL-RS) e o deputado federal Alexandre Molon (PSB-RJ) lideraram as manifestações em apoio a Felipe Neto no Twitter.

"Absurdo", definiu Molon.

Luciana Genro afirmou que Bolsonaro é genocida e responderá por crime contra a humanidade no Tribunal Penal Internacional.

"Não pode chamar o genocida de genocida. Repassem que o genocida não quer ser chamado de genocida", ironizou o deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP), que concorreu ao cargo de governador de São Paulo nas eleições de 2014.

O deputado federal Chico D'Angelo (PDT-RJ) defendeu que o youtuber está sendo vítima de perseguição.

"Todo dia milhares de brasileiros chamam o genocida de genocida, porque você seria perseguido por isso? A propósito, Bolsonaro, você é um genocida", declarou.

A deputada federal Jandira Feghali (PC do B-RJ) demonstrou sua solidariedade a Felipe Neto e afirmou que "esse governo precisa ser derrubado".

Jilmar Tatto (PT), que foi candidato à Prefeitura de São Paulo nas eleições de 2020, disse que Bolsonaro e sua família deveriam se preocupar em explicar o caso das rachadinhas.

"Bolsonaro quer impor a censura, calar as vozes contrárias a seu governo catastrófico e, sim, genocida, pois sabota as medidas sanitárias e foi negligente na compra de vacinas", declarou o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP).

A deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP) considerou a intimação uma medida autoritária. "Conte conosco para tomar medidas contra a censura", escreveu.

A deputado federal Natália Bonavides (PT-RN) acusou Bolsonaro de politizar a atuação da Polícia Federal.

O apresentador Danilo Gentili, que é desafeto público de Felipe Neto, se colocou ao lado do youtuber. "Você não precisa compartilhar dos mesmos posicionamentos dele para compreender o assustador absurdo disso", declarou.

Manuela D'Ávila (PC do B), que foi candidata à prefeitura de Porto Alegre nas eleições de 2020, citou as falhas de Bolsonaro no trato com a pandemia da covid-19.

"Bolsonaro quer censurar quem denuncia seu projeto genocida, mas não calará a voz de todos os brasileiros que lutam contra essa tragédia."

A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) se colocou ao lado de Felipe Neto e pediu que a Polícia Federal intime todo mundo que chama Bolsonaro de genocida.

Petra Costa, que dirigiu o filme "Democracia em Vertigem" também saiu em defesa do youtuber. "A ditadura já começou então?", questionou.

Política