PUBLICIDADE
Topo

Política

'Mandetta é um homem só bom de conversa', diz senador Ciro Nogueira

27.abr.2021 - O senador Ciro Nogueira (PP-PI) durante primeira reunião da CPI da Covid - Edilson Rodrigues/Agência Senado
27.abr.2021 - O senador Ciro Nogueira (PP-PI) durante primeira reunião da CPI da Covid Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Colaboração para o UOL

04/05/2021 10h45

O senador Ciro Nogueira (presidente nacional do Progressistas) criticou hoje a gestão do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (Democratas). Segundo ele, Mandetta foi se transformando em um "camaleão", que foi mudando com o tempo.

"O Mandetta é um dos melhores comunicadores que temos no país. É um homem que, ao invés de gerenciar o Ministério da Saúde, preferiu passar o tempo inteiro naquela bancada dando entrevistas", afirmou Nogueira, durante entrevista à CNN, na manhã desta terça-feira. "O Mandetta era um homem só bom de conversa. Chegava lá e nada foi feito nos estados. Eu espero que ele explique porque preferiu ficar mais tempo na mídia do que gerindo a saúde pública do país", completa.

O senador também fez críticas aos governadores e suavizou o fato de o ex-ministro Eduardo Pazuello ter sido visto sem máscara em um shopping, durante a pandemia. "CPI não tem que avaliar se ministro ou o presidente usou máscara", afirmou. "Os governadores, sim, são os maiores atores nos erros desse país. Receberam milhões de reais e não investiram como deveriam no combate à pandemia".

Mandetta é primeiro a depor na CPI da Covid

Crítico à atuação do governo Jair Bolsonaro no enfrentamento da pandemia de coronavírus, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta será o primeiro a depor na CPI da Covid, hoje, a partir das 10h.

Enquanto o governo trabalha para tentar evitar que Mandetta use a comissão parlamentar de inquérito no Senado como palanque eleitoral para 2022, os senadores de oposição devem explorar os posicionamentos passados do ex-chefe da Saúde, que já chegou a classificar como "genocida".a atuação do governo no enfrentamento da crise sanitária.

Ao longo da última semana, os senadores de oposição levantaram dados sobre a atuação do Ministério da Saúde e devem aproveitar as críticas de Mandetta em relação ao uso de medicamentos sem comprovação científica para o tratamento da covid, como ivermectina e hidroxicloroquina, para atacar o governo.

Já a tropa de choque governista, em minoria na CPI, só deve partir para a ofensiva caso Mandetta adote um tom incisivo contra Bolsonaro. A ideia dos aliados do presidente é associar Mandetta à estratégia inicial governo no enfrentamento da covid, na tentativa de diminuir sua credibilidade como crítico de medidas tomadas por Bolsonaro.

Como será o depoimento

Após abrir a sessão para uma breve explanação do ex-ministro da Saúde, o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), vai liberar o tempo para as perguntas:

  • Cada um dos 18 senadores terá o direito a cinco minutos para formular os questionamentos, sendo o mesmo tempo concedido ao depoente para a resposta.
  • Depois, serão concedidos três minutos para as réplicas e outros três minutos para as tréplicas.

Política