PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Teich diz à CPI que só indicaria cloroquina com a comprovação de eficácia

Rayanne Albuquerque, Luciana Amaral e Lucas Valença

Do UOL, em São Paulo

05/05/2021 13h27Atualizada em 05/05/2021 14h52

Na CPI da Covid, o senador Eduardo Girão (Podemos-CE) questionou Nelson Teich, ex-ministro da Saúde, se a cloroquina poderia ser melhor aceita caso o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não tivesse feito propaganda da medicação, que não tem eficácia comprovada para combater a covid-19. Em resposta, Teich disse que "são duas situações distintas" e que é necessário que seja comprovada a eficácia do remédio.

Acho que são duas situações distintas. Uma é o presidente mostrar a caixa. A outra é o remédio funcionar ou não. A minha indicação do remédio depende da comprovação do funcionamento, independente do que o presidente faça Nelson Teich, ex-ministro da Saúde

O senador Eduardo Girão insistiu nos questionamentos sobre o uso da cloroquina e ao perguntar se Teich concorda com a autonomia médica para prescrição de medicamentos que têm sido indicados no "kit covid" para o "tratamento precoce".

A autonomia assume que todo médico tem conhecimento máximo sobre tudo que ele faz. Se isso não é verdade, a autonomia deve ser avaliada e acompanhada. Porque quando você permite que uma pessoa utilize de forma inadequada, acho que você pode estar prejudicando a sociedade Nelson Teich, ex-ministro da Saúde

Durante a oitiva da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, Teich deixou claro que se demitiu por divergir de Bolsonaro sobre o uso da cloroquina.

O ex-ministro geriu o Ministério por menos de um mês, entre os dias 17 de abril e 15 de maio de 2020. O médico oncologista assumiu a pasta após a saída do então ministro, Luiz Henrique Mandetta.

"A vida é feita de escolhas e eu hoje escolhi sair", disse Teich ao pedir demissão. O ex-ministro declarou que quem julgaria o presidente Bolsonaro não seria ele, mas sim "o futuro".

Na altura, a média móvel de mortes pela covid-19 no Brasil era de 706 óbitos por dia. Hoje, a média é de 2.361, com o país totalizando 411.854 óbitos pela doença.

Com colaboração de Nathan Lopes

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.