PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Randolfe diz que protocolará pedido para Pazuello apresentar teste de covid

27.abr.2021 - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, no Senado - Edilson Rodrigues/Agência Senado
27.abr.2021 - O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, no Senado Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

06/05/2021 22h32

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse hoje que irá protocolar pedido para que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello apresente teste de covid-19.

Na terça-feira (4), Pazuello havia alegado aos parlamentares que não poderia comparecer presencialmente à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), que investiga ações do governo federal durante a pandemia, porque teria tido contato com coronéis infectados com o coronavírus. Nesta quinta, no entanto, Pazuello recebeu a visita do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, mesmo com suspeita de covid. O encontro foi revelado pelo jornal "O Estado de S. Paulo" e confirmado pela colunista do UOL Carla Araújo.

"Vamos protocolar. Acho necessário pelos notórios acontecimentos. Sei que não há convergência na comissão, nem na direção da comissão. Alguma medida tem que ser tomada. Comissão Parlamentar de Inquérito não pode ser desrespeitada, não pode ser afrontada", disse Randolfe, em entrevista à CNN Brasil.

"O presidente da República fica todo dia tentando mudar o foco, atacar a comissão de inquérito. Não é condizente para a postura de um presidente. A CPI surge quando todas instituições que deveriam ter o dever de investigar não investigaram. Talvez por isso incomode tanto, e talvez por isso o presidente esteja dedicando tempo a falar com ela", ironizou, em seguida.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.