PUBLICIDADE
Topo

Aziz 'não vê problema' em Carlos Bolsonaro integrar reunião no Planalto

Do UOL, em São Paulo

11/05/2021 16h00

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), declarou na tarde de hoje que não é possível criminalizar a presença do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) em reuniões do Ministério da Saúde que serviam para balizar estratégias de contenção da pandemia.

A presença de pessoas fora da pasta foi citada, em depoimento, pelo ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, no que ele chamou de "aconselhamento paralelo". Para Aziz, a presença de terceiros em reuniões do governo "não quer dizer nada".

Teve pessoas que me perguntaram sobre o Carlos Bolsonaro. Eu não vejo problema nenhum do Carlos estar numa reunião. Qual o problema? Eu fui governador e muitas vezes tinham pessoas que não eram secretários que participavam da reunião. Isso não quer dizer nada. Absolutamente nada. Não vejo crime. Não dá para criminalizar
Omar Aziz (PSD-AM) presidente da CPI da Covid

Mandetta foi ouvido pelo colegiado da Comissão Parlamentar de Inquérito na semana passada e declarou que o presidente Jair Bolsonaro tomou decisões sobre a contenção da pandemia "aconselhado" pelos filhos.

Várias vezes na reunião do Ministério, o filho do presidente, que é vereador no Rio de Janeiro, estava sentado atrás, tomando as notas na reunião. Eles tinham constantemente reuniões com esses grupos dentro da presidência
Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da Saúde

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.