PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Não importa de quem é filho, diz senador sobre Carlos Bolsonaro na CPI

Não importa de quem é filho, diz senador sobre Carlos Bolsonaro na CPI - Reprodução / Internet
Não importa de quem é filho, diz senador sobre Carlos Bolsonaro na CPI Imagem: Reprodução / Internet

Colaboração apra o UOL*

14/05/2021 16h45

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que entrou com um requerimento para convocar Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) para prestar depoimento à CPI da Covid no Senado, afirmou que a convocação do vereador é "uma medida natural no processo" e que a lei deve ser cumprida independente de Carlos ser filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"A gente tem uma progressão natural das investigações.", disse o senador em entrevista à GloboNews na tarde de hoje. "Vai em uma linha objetiva. Quem está abaixo da lei tem que cumprir, independente de ser filho do presidente ou do Papa.", ele completou. A convocação foi requerida após o depoimento de ontem de Carlos Murillo, gerente-geral da farmacêutica Pfizer para a América Latina, que até fevereiro deste ano comandava a companhia no Brasil.

Nesta quinta-feira na CPI da Covid no Senado, o gerente-geral afirmou que Carlos Bolsonaro e Filipe Martins participaram de reuniões em que a farmacêutica discutiu a venda de vacinas contra covid-19 com o governo federal.

Quando questionado sobre as críticas que recebeu de senadores da ala governista do Congresso por incluir o filho do presidente na CPI, o senador respondeu que não foi a Comissão que incluiu Carlos Bolsonaro no processo, e sim o próprio presidente.

"Quem colocou o filho nesse processo não foi a CPI, foi o presidente da Republica quando abriu as portas do palácio para que ele faça negociações de vacinas num momento tão grave quanto a gente vive.", afirmou Alessandro Vieira. "Então não faz sentido essa postura dos governistas, e ela refere muito mais um desejo, um desespero, de esconder os fatos. Só que os fatos são tão graves, tão marcantes, que é difícil de esconder.", concluiu.

O pedido de convocação

Em publicação no Twitter, o senador Alessandro Vieira anunciou que apresentou o requerimento de convocação de Carlos Bolsonaro à CPI da Covid.

Vieira disse ter apresentado também requerimento de convocação do assessor especial da Presidência Filipe Martins para prestar depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito e de quebra dos sigilos do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten.

"Apresentei o requerimento de convocação de Carlos Bolsonaro e Filipe Martins, citados como participantes de reunião 'paralela' sobre vacinas, bem como o pedido de quebra dos sigilos de Wajngarten. A investigação técnica exige estas medidas. Quem não deve não teme", escreveu o parlamentar na rede social.

Também em depoimento à CPI da Covid na semana passada, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse que o presidente Bolsonaro tinha um aconselhamento paralelo na gestão da pandemia e citou que Carlos Bolsonaro participou de uma reunião do governo.

Também em publicação no Twitter, feita antes de Vieira anunciar que pediu sua convocação, Carlos Bolsonaro, de 38 anos, criticou os que, segundo ele, "tentam impedir um filho de ficar próximo do pai".

"Por que se sentem tão incomodados? Sei que existem pessoas que não gostam dos seus e outros 'forçam' você a não gostar do seu. Jamais me impedirão de ficar ao lado do meu velho, mesmo que por pouco tempo atualmente!", escreveu o vereador.

Com informações da Reuters

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.