PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Encontro de Katia Abreu e Ernesto Araújo gera memes que vão de BBB a Oscar

18/05/2021 14h12Atualizada em 18/05/2021 16h43

A CPI da Covid promoveu hoje um encontro de desafetos entre o ex-chanceler Ernesto Araújo e a senadora Kátia Abreu (PP-TO). A internet ficou em polvorosa com os dois frente a frente.

Um dia antes de sair do Itamaraty, o então ministro das Relações Exteriores acusou a presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado de fazer um lobby em favor do 5G da China.

Hoje na CPI, Abreu criticou a atuação de Araújo no Itamaraty e afirmou que ele foi uma "bússola" que direcionou o país para o "caos". A senadora afirmou também que diplomatas e representantes de outros governos ficaram aliviados quando Araújo deixou o cargo.

Na Internet, houve quem comparasse o ex-chanceler ao Fiuk no "BBB 21"e alguns acharam a postura da senadora como digna de uma vencedora do Oscar. Mas o ex-ministro também teve apoiadores.

Os internautas associaram os batimentos cardíacos do ex-chanceler aos de Fiuk no 'BBB 21'

A senadora foi comparada à Karol Conka no "Big Brother Brasil"

Jogadora de futebol?

And the Oscar goes to...

Luz na passarela que lá vem ela!

Senadora também foi lembrada pela defesa dos agrotóxicos

Os internautas lembraram do título de 'Rainha da Motoserra' dado por ambientalistas à senadora

Katia Abreu wins!

Ernesto Araújo também recebeu apoio de internautas, apesar de sua gestão no Itamaraty ter sido marcada por várias críticas, principalmente em relação à forma como tratava a China.

O país asiático é um dos principais parceiros comerciais do Brasil e responsável pelo envio do IFA (Ingrediente Farmacêutico Ativo) para a produção das vacinas AstraZeneca e CoronaVac, pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) e pelo Instituto Butantan, respectivamente.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.