PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

Com cruz pedindo intervenção, ato pró-Bolsonaro ataca imprensa e pesquisas

Igor Mello

Do UOL, no Rio

23/05/2021 11h08

No aguardo pelo início de um passeio de moto com Jair Bolsonaro (sem partido), seus apoiadores mostravam apoiar as franjas mais radicais da base de apoio do presidente. Entre eles sobravam discursos negacionistas sobre a pandemia de covid-19, ataques a institutos de pesquisa, a imprensa e até à cúpula do Exército.

Logo na chegada da maior parte dos manifestantes, por volta das 8h, um homem carregava uma cruz de papel com frases em defesa de um golpe militar —chamado por ele de "intervenção" — e teorias da conspiração sobre a exploração do nióbio, mineral citado há anos por Bolsonaro. Outro apoiador gritava, aplaudido pelos demais: "Manda o Datafolha aqui, ó".

As pesquisas de opinião eram uma preocupação de diversos apoiadores de Bolsonaro. Com os levantamentos mostrando uma queda constante da popularidade do presidente e o crescimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), eles se esforçavam em descredibilizar os institutos.

"A pesquisa do Lula é feita dentro da cadeia", falou um deles enquanto aguardava o desembarque de Bolsonaro do helicóptero que trouxe sua comitiva até o Parque Olímpico, na zona oeste do Rio.

Veja fotos do passeio de moto de Bolsonaro com apoiadores no Rio

Perto dali, um homem que se apresentava com assessor parlamentar discutia a crise que levou à demissão do então ministro da Defesa, o general Fernando Azevedo e Silva, e dos comandantes das três forças. Citando principalmente o general Edson Pujol —ex-comandante do Exército e tido como alguém pouco alinhado a Bolsonaro— ele sacramentou: "O Pujol, esses generais com voz... Essas pragas têm que cair".

Discursos replicando o negacionismo de Bolsonaro sobre a pandemia também eram comuns. As conversas sobre "o povo querer trabalhar" eram comuns, bem como a defesa de medicamentos ineficazes contra o novo coronavírus.

"Eu tomei e a azitromicina funciona mesmo", testemunhava um deles, desafiando o consenso científico a respeito do tratamento da covid-19.

Política