PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
6 meses

'Brasil não é obrigado a seguir orientação da OMS', diz 'Capitã Cloroquina'

Rayanne Albuquerque e Hanrrikson de Andrade*

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

25/05/2021 10h58Atualizada em 25/05/2021 11h18

A servidora do Ministério da Saúde Mayra Pinheiro declarou na manhã de hoje, em depoimento à CPI da Covid, considerar que o Brasil "não é obrigado" a seguir as recomendações da OMS (Organização Mundial da Saúde). E, caso o tivesse feito, teria "falhado" em vários aspectos do enfrentamento à pandemia da covid-19.

Os questionamentos foram direcionados para a depoente, que exerce o posto de secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, no contexto dos debates sobre a cloroquina e hidroxicloroquina.

Mayra é defensora do uso desses medicamentos, que não têm eficácia científica comprovada no tratamento da covid-19. Já a OMS recomendou em julho do ano passado que, diante dos resultados clínicos obtidos à época, a interrupção do uso da cloroquina e hidroxicloroquina no combate aos sintomas provocados a partir da contaminação.

É preciso que a gente deixe, primeiramente, claro, que a OMS é um braço da ONU que trata das questões relativas à saúde. Embora o Brasil seja signatário dessa entidade, o Ministério da Saúde de todos os países são órgãos independentes e têm sua autonomia para tomada de decisões de acordo com as situações locais
Mayra Pinheiro

Na perspectiva de Mayra, a OMS retirou as orientações desses medicamentos para o tratamento da covid baseadas em estudos de "qualidade metodológica questionável".

A secretária alegou que os estudos se baseavam na observação dos efeitos da cloroquina na fase "tardia da doença" e alega que já é sabido que "não há benefícios aos pacientes" nesta fase.

A médica cearense Mayra Pinheiro ficou conhecida como 'capitã cloroquina' depois de defender publicamente, em especial pelas redes sociais, o uso do medicamento. Ela esteve à frente das ações de combate à pandemia em Manaus, no Amazonas, durante o colapso do sistema de saúde que ocorreu entre o final de dezembro de 2020 e janeiro de 2021.

'Capitã cloroquina' tem o direito de ficar calada

Mayra Pinheiro obteve um habeas corpus no STF (Supremo Tribunal Federal) que dá direito de se calar ao ser questionada sobre o colapso da rede de saúde do Amazonas que possam formar provas contra si. A situação na capital amazonense foi agravada entre o fim de dezembro de 2020 e janeiro deste ano.

Ela terá esse direito porque o assunto é foco de investigações do MPF (Ministério Público Federal). A Procuradoria apura se Mayra e seu ex-chefe, o general do Exército Eduardo Pazuello — que atuou como Ministro da Saúde — e outras cinco pessoas são os responsáveis pelo agravamento da crise sanitária em Manaus.

O gabinete temporário na capital amazonense foi montado por Mayra Pinheiro durante a crise sanitária na região.

* Com a colaboração de Ana Carla Bermúdez

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.