PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro gastou R$ 1,8 milhão no Carnaval deste ano

"A gente está aqui dando uma relaxada, mas tem trabalho", disse o presidente após aglomeração em praia catarinense no Carnaval - Reprodução/Facebook/Jairmessiasbolsonaro
"A gente está aqui dando uma relaxada, mas tem trabalho", disse o presidente após aglomeração em praia catarinense no Carnaval Imagem: Reprodução/Facebook/Jairmessiasbolsonaro

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

26/05/2021 11h05

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e sua equipe gastaram cerca de R$ 1,8 milhão com hospedagem, alimentação e passagens aéreas no Carnaval deste ano, revelam ofícios encaminhados pelo governo a pedido de parlamentares. Bolsonaro passou o feriado em São Francisco do Sul, litoral de Santa Catarina.

O primeiro ofício —sobre os gastos com transporte aéreo do presidente e comitiva— foi pedido pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) e respondido pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional) como assinatura do ministro Augusto Heleno.

Segundo o ofício, o uso do avião oficial, manutenção da aeronave e combustível custaram US$ 189 mil (cerca de R$ 1 milhão). Já com as passagens aéreas e diárias do GSI —órgão do governo responsável pela assistência ao presidente em assuntos militares e de segurança— foram gastos R$ 74,5 mil.

Outro ofício, pedido por Vaz e por Rubens Bueno (Cidadania-PR), é sobre o gasto do presidente com cartão corporativo no Carnaval, e foi respondido pela Secretaria Especial de Administração da Secretaria-Geral da Presidência da República.

Essa despesa no foi de R$ 702 mil, incluindo diárias, transporte e até gastos com telefone. A soma dos gastos atinge R$ 1,79 milhão.

"É uma vergonha", diz Elias Vaz. "No Carnaval, o Brasil passava de 242 mil mortos por covid-19 e, enquanto isso, Bolsonaro torrava dinheiro público com lazer."

Procurado, o governo não respondeu até esta publicação.

Os gastos com as férias de fim de ano do presidente também já tinham causado polêmica. Na ocasião, os gastos aos cofres públicos foram de R$ 2,3 milhões.

TCU fará auditoria nos gastos

Ontem, a Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados aprovou uma PFC (Proposta de Fiscalização e Controle) que determina ao TCU (Tribunal d e Contas da União) que em 180 dias faça uma auditoria e produza um relatório sobre os gastos no cartão corporativo da Presidência da República em 2019.

Em junho do ano passado, o TCU já havia aprovado em plenário um pedido para que fossem apuradas possíveis irregularidades nos gastos com cartão corporativo pela presidência. É que em maio de 2020 vieram a público que as despesas na gestão do presidente têm sido maiores do que as de seus antecessores Michel Temer (MDB) e Dilma Rousseff (PT).

Política