PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
5 meses

Pacheco encontra Braga Netto e trata polêmica com Aziz como mal-entendido

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), reuniu-se com o ministro da Defesa para conciliar após briga com Aziz - Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), reuniu-se com o ministro da Defesa para conciliar após briga com Aziz Imagem: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

08/07/2021 13h34Atualizada em 08/07/2021 17h01

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), reuniu-se com o ministro da Defesa, general Braga Netto, na manhã de hoje, para discutir as declarações polêmicas do presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM). Ontem, o parlamentar disse que há muitos anos "membros do lado podre das Forças Armadas envolvidos com falcatrua dentro do governo".

Em tom conciliador, Pacheco afirmou que as declarações do líder da Comissão Parlamentar de Inquérito não passaram de um "mal-entendido". De acordo com o presidente do Senado, o assunto foi "suficientemente esclarecido" e está "encerrado".

Deixei claro o nosso reconhecimento aos valores das Forças Armadas, inclusive éticos e morais, e afirmei, também, que a independência e as prerrogativas de parlamentares são os principais valores do Legislativo
Rodrigo Pacheco (DEM-MG), presidente do Senado

Por outro lado, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) saiu em defesa das Forças Armadas após as declarações de Aziz.

No Facebook, Bolsonaro compartilhou um trecho de uma nota de repúdio emitida pelo Ministério da Defesa e pelas Forças Armadas.

As Forças Armadas ao lado da Lei, da Ordem, da Democracia, do respeito ao povo brasileiro e da nossa Sagrada Liberdade
Trecho publicado na postagem de Jair Bolsonaro

Militares repudiaram ato de Aziz

O Ministério da Defesa e as Forças Armadas repudiaram ontem as declarações feitas por Omar Aziz na Comissão Parlamentar de Inquérito da covid-19 do Senado.

Segundo as instituições, atribuir aos militares os supostos esquemas de corrupção envolvendo a compra de vacinas pelo Ministério da Saúde é uma acusação "irresponsável" e "grave".

Essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável. A Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira são instituições pertencentes ao povo brasileiro e que gozam de elevada credibilidade junto à nossa sociedade conquistada ao longo dos séculos
Ministério da Defesa, em nota

A mesma manifestação foi compartilhada por Bolsonaro nas redes sociais.

Aziz classificou o posicionamento das instituições como "muito desproporcional". O senador sugeriu que a nota também foi uma maneira de intimidar o Congresso Nacional.

Em seguida, o líder da CPI da Covid reforçou que mantém respeito aos "grandes brasileiros" que integram as Forças Armadas, mas voltou a criticar os militares que possam ter relação com as supostas "falcatruas".

Política