PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

Josias: presidente está nu e mordeu a isca da CPI com resposta chula

Do UOL, em São Paulo

09/07/2021 09h06Atualizada em 09/07/2021 18h54

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mordeu a isca da CPI da Covid ao dizer, com uma palavra chula, que não responderia da forma apropriada à carta enviada ontem por membros da comissão, analisou o colunista do UOL Josias de Souza.

Ontem, em live, Bolsonaro disse que a sua resposta seria "caguei" para a carta pedindo que confirmasse ou não denúncias feitas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF). Em depoimento à comissão, na semana passada, o parlamentar disse que comunicou ao presidente sobre irregularidades nas negociações para compra da vacina Covaxin. Na ocasião, Miranda deixou claro que Bolsonaro teve indícios, mas não agiu, o que pode ser configurado como crime de prevaricação.

Na avaliação de Josias de Souza, a atitude mostra que o "presidente está nu", uma vez que está em uma situação delicada. Luis Miranda afirmou que, ao ser informado sobre as supostas irregularidades, Bolsonaro disse que isso "era coisa" de Ricardo Barros (PP-PR), deputado federal que é líder do governo na Câmara.

"Se ele mudar de ideia e informar a CPI que realmente citou o nome de seu líder na Câmara, quando foi informado sobre contratos no contrato Covaxin, ele pode sair da vitrine. Se ele destituir da liderança da Câmara, então Bolsonaro pode recuperar a camisa. Se mandar cancelar o contrato, talvez reaver a cueca. Em relação às calças, não será fácil Bolsonaro tê-las de volta. Presidente está nu, e não é de hoje. Ele oferece aos brasileiros o pior tipo de nudez, a que ninguém pediu e quer ver, que infelizmente se tornou corriqueira", disse.

Josias de Souza ainda destacou que o silêncio de Bolsonaro sobre o caso complica Ricardo Barros. "Hoje é o 14º dia de silêncio do presidente, ele fica mal, deixa mal o líder do governo dele na Câmara [Ricardo Barros], que frequenta a conjuntura como um suspeito de corrupção, como suspeito de traficar negócios escusos no Ministério da Saúde", disse.

Quando diz o que disse à CPI -- aliás a CPI já intuía que ele diria isso, por isso mandaram a carta para desgastá-lo --, ele mordeu a isca e está se desgastando. Não é a CPI que está ficando mal nesta encrenca, é o presidente
Josias de Souza, colunista do UOL

Para finalizar, Josias, disse que Bolsonaro é "um tipo muito curioso de teimoso". "Bate com a cabeça na parede diariamente, no pressuposto que a parede uma hora vai virar porta".

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.