PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
4 meses

Inquérito pode rachar imagem de honesto de Bolsonaro, afirma Sakamoto

Colaboração para o UOL, em São Paulo

12/07/2021 18h13Atualizada em 12/07/2021 19h39

A condução do inquérito aberto pela Polícia Federal para investigar suspeitas de prevaricação na compra da vacina Covaxin pode provocar quebra na imagem de honestidade do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido). O entendimento é do colunista do UOL Leonardo Sakamoto, que participou do UOL News desta noite.

Sakamoto entende que o processo dificilmente acarretará uma denúncia por parte do procurador-geral da República, Augusto Aras. "Mas se o inquérito for bem feito, vai ajudar a rachar, ainda mais, a imagem de honesto do patriarca das rachadinhas", acrescentou.

O inquérito foi formalizado hoje pela PF, após a ministra do STF (Supremo Tribunal Federal) Rosa Weber encaminhar na última terça-feira (6) a investigação para a corporação.

O colunista do UOL também comentou o ataque do presidente às últimas pesquisas divulgadas pelo Datafolha, que mostraram que a maioria da população considera Bolsonaro desonesto, falso, incompetente, despreparado, indeciso, autoritário e pouco inteligente.

"Quando aparece uma febre, ele culpa o termômetro, ele culpa o instituto de pesquisa. Da mesma forma que ele culpa os registros de morte por conta das 530 mil mortes por covid. Da mesma forma que ele culpa o IGBE por conta dos 14,8 milhões de desempregados. Que ele culpa os registros o Instituto de Pesquisas Espaciais pelo recorde de desmatamento da Amazônia. Ele culpa, culpa e culpa o termômetro", disse.

O Datafolha também divulgou um levantamento que diz que 38% dos brasileiros consideram o desempenho do Congresso ruim ou péssimo, mas Sakamoto opina que isso não é uma novidade. "O Congresso sempre foi muito mal avaliado pelos brasileiros, por conta de escândalos de corrupção", afirmou.

Porém, para o colunista observa que a população ainda tem dificuldade muito grande de entender como o Congresso ajuda na qualidade de vida dela, e acaba vendo a casa como um grande aglomerado de interesses individuais.

Política