PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

'Engavetador' e 'prêmio de consolação': as reações à recondução de Aras

Jair Bolsonaro ignorou duas vezes a lista tríplice do MPF para indicar Aras - Jorge William / Agência O Globo
Jair Bolsonaro ignorou duas vezes a lista tríplice do MPF para indicar Aras Imagem: Jorge William / Agência O Globo

Do UOL, em São Paulo

20/07/2021 17h17

Políticos e membros do MPF (Ministério Público Federal) reagiram ao anúncio da recondução de Augusto Aras ao cargo de procurador-geral da República. Enquanto deputados chamaram Aras de "engavetador geral da República" e criticaram suas decisões em relação ao combate à corrupção, os procuradores defenderam a lista tríplice, que não foi respeitada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Mesmo já estando no cargo, Augusto Aras ainda precisa ser aprovado pelo Senado para que a recondução seja oficializada.

A deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) acusou Aras de ser responsável pelo "desmonte do combate à corrupção". "Mas, JB [Jair Bolsonaro] q não se iluda. Aras já "pagou" a conta. Talvez resolva atuar como um PGR de fato", completou.

O colega de Hasselmann na Câmara Kim Kataguiri (DEM-SP) também criticou a decisão do presidente e, como ela, chamou atenção para o combate à corrupção. Ele, porém, chamou o PGR de "petista".

A decisão de reconduzir Aras também foi alvo de críticas de parlamentares petistas. Henrique Fontana (PT-RS) disse que nenhum pedido de apuração dos crimes de Bolsonaro caminha sob a atual gestão do chefe do MPF. Natália Bonavides (PT-RN) defendeu que o Senado engavete a indicação.

Chico Alencar, vereador pelo PSOL no Rio de Janeiro, chamou Aras de "blindador-geral da República" e defendeu que a recondução é um "prêmio de consolação" para o procurador, que desejava ser indicado para uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal). "A fidelidade de Augusto Aras será recompensada por Bolsonaro", defendeu Chico.

Membros do MPF defendem respeito à lista tríplice

A recondução de Aras à Procuradoria-Geral da República ignora a lista tríplice tradicionalmente elaborada pelos membros do MPF. Desta vez, ela era formada por Luiza Frischeisen, Nicolao Dino e Mario Bonsaglia.

Luiza, a mais votada pelos colegas, afirmou que o MPF continuará utilizando o mecanismo e defendeu que o Congresso aprove uma PEC (Proposta de Emenda à Constinuição) para que ela passe a constar na Constituição.

Mario Bonsaglia disse que a luta dos membros do MPF pela lista tríplice continuará. "Não é uma questão corporativa. Interessa a toda a sociedade um MP independente, como diz a Constituição", argumentou.

Bolsonaro já havia ignorado a lista tríplice quando indicou Aras pela primeira vez para o cargo, em 2019.

Veja outras reações à indicação de Aras

Política