PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

STF pede explicação de Aziz sobre vazamento de email de Mayra Pinheiro

Mayra Pinheiro, em depoimento à CPI da Covid, em maio deste ano - Jefferson Rudy/Agência Senado
Mayra Pinheiro, em depoimento à CPI da Covid, em maio deste ano Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Colaboração para UOL

26/07/2021 18h13Atualizada em 27/07/2021 14h06

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ricardo Lewandowski determinou cinco dias para que o presidente da CPI da Covid, o senador Omar Aziz (PSD-AM), explique a divulgação de informações sigilosas à imprensa. Segundo a defesa da secretária do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, senadores teriam vazado conteúdos de email dela, que estavam sob sigilo.

As informações foram obtidas pela Comissão Parlamentar de Inquérito a partir da quebra de sigilos telefônico e telemático da médica, conhecida nas redes sociais como "Capitã Cloroquina".

Em 12 de junho, após recorrer e ter o pedido de suspensão do acesso aos registros recusado, Mayra conseguiu mantê-los em segredo, com acesso permitido apenas aos senadores. Na ocasião, Lewandowski disse que os dados "só podendo vir a público, se for o caso, por ocasião do encerramento dos trabalhos, no bojo do relatório final."

A secretária do Ministério da Saúde disse que os documentos foram divulgados "de forma ilegal". Reportagens mostraram que Mayra ofereceu ao governo de Portugal o uso de medicamentos sem eficácia comprovada no combate ao coronavírus, como a cloroquina.

O jornal Folha de S.Paulo divulgou um vídeo em que ela afirma que preparou algumas perguntas para enviar aos senadores governistas da CPI. A ação era uma tentativa de eles "jogarem" para ela "fazer o gol" durante seu depoimento.

Em maio, a médica esteve na Comissão e prestou depoimento. Ela manteve sua defesa no tratamento precoce com medicamentos já descartados pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Mayra também buscou absolver o governo federal em relação ao colapso da rede de saúde em Manaus, no começo do ano.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.