PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Compra de vacinas e poder no ministério; frases de Airton Cascavel na CPI

Airton Antonio Soligo, conhecido como Airton Cascavel, prestou depoimento hoje à CPI da Covid - Marcos Oliveira/Agência Senado
Airton Antonio Soligo, conhecido como Airton Cascavel, prestou depoimento hoje à CPI da Covid Imagem: Marcos Oliveira/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

05/08/2021 12h28Atualizada em 05/08/2021 15h40

O empresário Airton Antonio Soligo, conhecido como Airton Cascavel, presta depoimento hoje à CPI da Covid no Senado. Ele é apontado nos bastidores do Ministério da Saúde como homem de confiança do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da pasta.

Em seu depoimento, o empresário falou sobre o convite para atuar no Ministério da Saúde, politização das vacinas e do poder que exercia dentro da pasta.

Veja a seguir as principais frases de Airton Cascavel na CPI da Covid:

Convite de Pazuello

Sou produtor rural, vivo numa fazenda, estava lá e recebo um telefonema do Pazuello, que já tinha assumido a secretaria, e convidando em poucas palavras que estava em uma missão e que precisava de alguém que tivesse conhecimento e articulação política institucional e se poderia vir para cá alguns dias E assim fiz com recursos próprios.

(...)

Naquele momento entendia que tinha um porquê de estar aqui. Entendia que tinha um chamamento maior para mim, e não do general. A grande maioria dos militares — e aqui não estou denegrindo, sei da importância das Forças Armadas — mas não tem o traquejo político do trato, talvez daí precisavam dessa relação com os parlamentares.

Demora para nomeação

No dia 22 [de maio] o Pazuello assume [interinamente o cargo] e apenas no dia 26 maio ele ratifica o convite? Nos meus documentos que entreguei faltava a desvinculação do cargo de administrador de pequena empresa que tenho, fui solicitar mudanças e cartórios estavam fechados. Isso levou mais de uma semana e é encaminhado para a Casa Civil e meu nome deve ter sofrido uma rejeição que fez com que fosse nomeado efetivamente em 24 de junho.

Politização das vacinas

O grande problema foi a politização, se politizou essa questão [da vacina], a questão do Butantan. Não falavam da importância da Fiocruz. E ali era interlocução política.

Poder dentro da Saúde

Não fui omisso, fiz minha parte. Quando falam da vacina, eu chego a dizer o seguinte: se eu tivesse poder de decisão que as pessoas muitas dizem, eu teria comprado, mesmo não podendo comprar como a lei dizia [na época], eu teria comprado a Pfizer, a Janssen, e estaria aqui hoje respondendo porque teria comprado.

Recursos para o Butantan

O Ministério [da Saúde] nunca deixou de falar com o Butantan. Até porque o Butantan é fornecedor de insumos para o ministério há muitos e muitos anos. Então, quando se colocava que o Butantan é do estado de São Paulo... Não foi o estado de São Paulo que botou recursos lá no Butantan para a vacina. A Sinovac tinha acordo, comprando IFA [Ingrediente Farmacêutico Ativo] para São Paulo, mas também não poderia começar a execução da venda se não tivesse o contrato com o ministério.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.