PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Renan diz não ver 'risco' de Bolsonaro ser reeleito: 'Sob nenhuma hipótese'

"A CPI cumpriu um papel importante nessa erosão de popularidade do governo", avaliou Renan Calheiros - Pedro França/Agência Senado
"A CPI cumpriu um papel importante nessa erosão de popularidade do governo", avaliou Renan Calheiros Imagem: Pedro França/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

23/08/2021 16h01Atualizada em 23/08/2021 20h48

Relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) disse hoje que não vê "risco" de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ser reeleito em 2022. Para Calheiros, a comissão — que investiga as ações e eventuais omissões do governo federal na pandemia — ajudou a "erodir" a popularidade de Bolsonaro, e os constantes ataques do presidente à CPI são "consequência" disso.

"Avalio que, sob nenhuma hipótese, correremos o risco de ter a reeleição do presidente Jair Bolsonaro. O desespero dele é consequência disso", disse o senador à jornalista Flávia Oliveira, durante participação no 16º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo investigativo).

A CPI [da Covid] cumpriu um papel importante nessa erosão de popularidade do governo. Não era isso que pretendíamos, mas vimos ao longo dos últimos meses uma completa erosão de popularidade.
Renan Calheiros, no Congresso da Abraji

Calheiros ainda afirmou que os atos bolsonaristas convocados para 7 de setembro são uma reação ao temor de Bolsonaro de responder na Justiça pela forma que atuou — ou deixou de atuar — durante a pandemia de covid-19.

"Essa coisa de golpe, ameaça, insinuação, pode continuar a acontecer, mas muito em consequência do desespero do presidente, que na medida que vê a possibilidade de reeleição evaporar, teme ter de responder penalmente pelo que fez com o país no enfrentamento da pandemia", completou.

Pouco antes, em uma rede social, Calheiros já havia criticado Bolsonaro pelo que chamou de "coices autoritários" contra o STF (Supremo Tribunal Federal).

Na última sexta-feira (20), o presidente enviou ao Senado um pedido de impeachment contra o ministro Alexandre de Moraes e anunciou que, "nos próximos dias", ainda apresentaria um pedido contra o ministro Luís Roberto Barroso, que também é presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

"Os coices autoritários de Bolsonaro não miram só o STF. Ameaçam o Estado Democrático de Direito. Desobediências às leis têm de ser enfrentadas pelo Congresso, que tem obrigação de agir. O medo da eleição, da prisão e do Tribunal Penal internacional desnorteiam o capitão", escreveu.

Política