PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
15 dias

Randolfe: CPI quer saber se prefeitura de SP investigou Prevent em 2020

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) durante sessão da CPI da Covid, da qual é vice-presidente (22.jun.2021) - Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) durante sessão da CPI da Covid, da qual é vice-presidente (22.jun.2021) Imagem: Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL

28/09/2021 20h57

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, diz que o foco da comissão após o depoimento da advogada Bruna Morato, representante de médicos que denunciaram a Prevent Senior, é apurar outras investigações sobre práticas da operadora de saúde durante a pandemia.

Em entrevista à CNN Brasil, Randolfe afirmou que o depoimento da advogada no Senado foi o "mais estarrecedor" que ele já ouviu em toda sua trajetória política.

Aos senadores, Morato reafirmou, conforme consta em dossiê entregue à comissão de inquérito, que os profissionais de saúde da Prevent Senior eram pressionados a receitar o chamado "kit covid. Isso por causa de uma política interna de "coerção" na empresa, que fazia médicos temer retaliações, inclusive demissão.

Por causa das denúncias, Rodrigues explicou que a CPI quer entender até onde a Prefeitura de São Paulo apurou irregularidades da operadora de saúde no ano passado.

"Temos a informação de que, em março de 2020, foi feita uma autuação pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, através da Vigilância Sanitária, à Prevent Senior, pedindo que se interditasse hospitais da empresa", disse Randolfe.

"Essa informação é necessária vir à CPI, se de fato houve esse pedido, se foi tomada alguma providência, e, se não foi tomada, por que não foi. Aprovamos os requerimentos de informação sobre isso durante o depoimento de Bruna", completou.

Laboratório do gabinete paralelo

O senador também falou sobre as possíveis relações entre a Prevent Senior e o Ministério da Economia. Randolfe reforçou, como disse na comissão hoje, que quer ouvir no Senado o ministro da Economia, Paulo Guedes, ou o secretário de Política Econômica, Adolfo Sachsida.

"Eu preferia que o próprio ministro viesse", disse o parlamentar. "Está claro que o Ministério da Economia tinha feito parte da engrenagem que negligenciou o combate à pandemia no país."

Segundo Randolfe, o depoimento de Bruna Morato trouxe uma peça que encaixa com "desconfianças" da CPI: havia uma coordenação do governo federal, comandada pela Economia, para incentivo a tratamentos ineficazes contra a covid-19.

"Tinha que lançar as pessoas para o vírus para que a economia não paralisasse. A solução para enfrentar o vírus seria a cloroquina, o tratamento que não tem eficácia."

"E a Prevent Senior foi tratada como espécie de laboratório do enfrentamento da pandemia por cloroquina. A Prevent era o laboratório do gabinete paralelo, que legitimava isso como um 'exemplo de sucesso'."

Política