PUBLICIDADE
Topo

Política

Renan rebate críticas de Flávio: "Não afetam nem a CPI nem a mim"

Senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, em ação em oitiva na comissão - Edilson Rodrigues/Agência Senado
Senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid, em ação em oitiva na comissão Imagem: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Do UOL, em São Paulo

16/10/2021 17h30

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) respondeu hoje às críticas do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) sobre o trabalho realizado pela CPI da Covid, da qual é relator. Em entrevista à Patrícia Calderón, da rádio Jovem Pan News de Fortaleza, ele disse que a comissão tem aprovação popular e as provocações não o afetam.

Em entrevista à mesma rádio ontem (15), Flávio Bolsonaro, filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, afirmou que os trabalhos da CPI são "alucinação". Em vias de chegar ao fim, é esperado que a comissão indicie o presidente a pelo menos 11 crimes.

Nós demonstramos o desejo, o propósito, o objetivo de investigar com isenção e independência e separar a CPI da discussão eleitoral, presidencial. De modo que essas declarações não afetam os trabalhos da CPI e nem a mim.
Renan Calheiros (MDB-AL), relator da CPI da Covid

Renan também negou que a comissão tenha qualquer viés político. "O relatório é produto do que pensa a maioria. Ele não pode ser uma identificação pessoal. Ele tem de ser verdadeiro, isento e amplo, na medida que ele for sustentado por todos", declarou o senador.

"É preciso lembrar que o apoio popular à CPI chegou a bater 78% nas pesquisas do Datafolha", concluiu o senador.

Indiciamento por 11 crimes

Em entrevista nesta semana, Renan já afirmou que pretende indicar ao menos 11 crimes.

Segundo o relator da CPI, seriam eles: epidemia com resultado morte; infração de medidas sanitárias; emprego irregular de verba pública; incitação ao crime; falsificação de documento particular; charlatanismo; prevaricação; genocídio de indígenas; crimes contra a humanidade; crimes de responsabilidade; e homicídio por omissão.

Política