PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Queremos justiça, e não vingança, diz Aziz sobre relatório da CPI da Covid

14.jul.2021 - O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), durante sessão da comissão - Jefferson Rudy/Agência Senado
14.jul.2021 - O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), durante sessão da comissão Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado

Colaboração para o UOL

19/10/2021 11h56

Após uma sessão marcada por divergências entre o usualmente hegemônico G7 da CPI da Covid, o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), disse que não pedirá para o relator, Renan Calheiros (MDB-AL), remover nada do relatório gerado pelas investigações da CPI.

"Todos do G7 temos o mesmo discurso: não estamos atrás de vingança, mas de justiça. E, para isso, precisamos embasar as tipificações", ressaltou em entrevista à CNN Brasil. Sobre o episódio de discussão entre o grupo, ele falou: "A gente convive com a divergência. Não há mal-estar".

Apesar disso, uma parte do documento foi vazada para a imprensa, o que recebeu críticas de Aziz. "Joga-se aí para se debater publicamente um relatório quando não se deve fazer esse debate público: primeiro, precisa-se fazer um debate interno, técnico", afirmou.

Para ele, o trabalho feito pela CPI é sério, "não é ego" ou tentativa de "melhorar seu potencial eleitoral" com a aproximação dos pleitos de 2022.

A fim de desfazer a crise recente entre o G7, foi organizado para hoje um encontro em território neutro, oferecido pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE).

Indiciamento de Bolsonaro

Com o fim da CPI da Covid e a entrega do relatório final marcada para amanhã, especula-se que será pedido o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por 11 crimes.

"Se uma delas (tipificações) der errado, as outras podem cair por terra", alertou Aziz à CNN. Outra preocupação dele, que é declarado opositor do presidente, é que o relatório seja visto como uma narrativa política em vez de uma análise técnica.

Ele (Bolsonaro) pode ser arrolado em 80, 90, 100, desde que tenha base para todas [...] O importante não é a quantidade: é o embasamento, e sem narrativas, com comprovações de que aquilo aconteceu".
Omar Aziz

Segundo o presidente da CPI, ele e Renan Calheiros já sofreram com "narrativas" e, por isso, há preocupação de que o desfecho da comissão não seja percebido como um trabalho sério. "As imputações são técnicas", reforçou.

A CPI da Covid foi criada no Senado após determinação do Supremo. A comissão, formada por 11 senadores (maioria é independente ou de oposição), investiga ações e omissões do governo Bolsonaro na pandemia do coronavírus e repasses federais a estados e municípios. Tem prazo inicial (prorrogável) de 90 dias. Seu relatório final será enviado ao Ministério Público para eventuais criminalizações.