PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Ministro da Justiça pede investigação contra IstoÉ após capa de Bolsonaro

Edição da revista IstoÉ retrata presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como nazista - Reprodução
Edição da revista IstoÉ retrata presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como nazista Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

21/10/2021 10h00Atualizada em 21/10/2021 10h26

O ministro da Justiça Anderson Torres solicitou ontem a abertura de inquérito contra a revista IstoÉ para investigar crime contra a honra do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo o ministro Torres, o documento foi encaminhado à Polícia Federal "para apuração imediata".

Na semana passada, a revista publicou reportagem de capa que compara Bolsonaro ao ditador nazista Adolf Hitler e o chama de "mercador da morte" por suas ações na pandemia de covid-19.

A capa da revista estampa uma foto do rosto de Bolsonaro com a palavra "genocida" escrita acima dos lábios, em alusão ao bigode usado por Hitler. Abaixo da imagem, aparece o texto "As práticas abomináveis do mercador da morte". Nas páginas internas, o título da reportagem é "O arquiteto da tragédia".

Há dois dias, a AGU (Advocacia-Geral da União) enviou uma notificação extrajudicial à IstoÉ com pedido de resposta após a publicação da reportagem. A AGU pede que a revista publique uma nota de autoria do governo, que lista ações do Executivo no combate à pandemia, e ainda sugere uma nova capa a ser publicada pela revista.

Na nova versão, a capa mostraria três imagens do presidente: abraçando dois jovens, acenando para o público e desfilando em carro aberto, acompanhado de crianças e vestindo a faixa presidencial. Na montagem, o texto passa a ser "Governo Bolsonaro defendeu a vida, o emprego, a liberdade e a dignidade".

AGU pede publicação de capa alternativa à revista IstoÉ - Reprodução/AGU - Reprodução/AGU
AGU pede publicação de capa alternativa à revista IstoÉ
Imagem: Reprodução/AGU

No documento, a AGU informa que pode adotar medidas judiciais se não tiver resposta no prazo de 7 dias.

Política